5 Grandes mulheres empreendedoras para você se inspirar

Quem acompanha o nosso trabalho, sabe que estamos o tempo todo falando de mulheres e empreendedorismo, e em como estas duas palavras juntas combinam muito! Já havíamos comentado aqui sobre os números existentes nesse setor. Você sabia que apesar das mulheres criarem mais empreendimentos, elas ainda possuem mais dificuldade para se manter no mercado? Pensando nisso, elaboramos este post com 5 GRANDES EMPREENDEDORAS MULHERES para você se inspirar e quem sabe, colocar o seu empreendimento em prática também. 🙂

  • PAOLA CAROSELLA

A nossa primeira DIVA da lista cresceu em meio pomar, rodeada de galinhas e coelhos. Começou a trabalhar cedo em cozinhas de restaurantes da Argentina, e hoje, é uma grande chef internacional. Ficou conhecida principalmente ao se tornar jurada da versão brasileira do programa Masterchef, transmitido pela Band. Atualmente, é dona do restaurante La Guapa. Veja mais detalhes da sua trajetória aqui.

  • PAULA ABREU

A Paula Abreu é principalmente conhecida pelo programa Escolha Sua Vida. Suas trajetórias profissionais e pessoais nos ensinam que é preciso ter garra todos os dias para enfrentar o desconhecido. Advogada por formação, a Paula largou o mundo corporativo para viver daquilo que mais amava: escrever. E tem dado muito certo até hoje. Conheça parte da sua história aqui. 

  • RAFAELA CAPPAI

A Rafa Cappai é mesmo uma empreendedora criativa de mão cheia. Jornalista por formação, é também atriz, bailarina, empreendedora, escritora, professora, mestre em empreendedorismo criativo. A gente já falou bastante dela por aqui em outros momentos. Atualmente, ela é a comandante de Espaçonave, além de liderar diversos outros projetos e iniciativas criativas mundão a fora. Clique aqui para ver o site dela e conhecer mais dessa mulher incrível.

  • ANA FONTES 

Pra quem não sabe, Ana Fontes é a grande mulher por trás da Rede Mulher Empreendedora (RME), a primeira plataforma de apoio ao empreendedorismo feminino no Brasil. Tudo começou porque um dia Ana foi descriminada por ser mulher numa entrevista de emprego. O entrevistador viu o seu currículo e disse: “É fantástico. É igual à vaga. Pena que você é mulher. Quero alguém que seja forte, que seja macho e que brigue com os funcionários e você tem cara de muito boazinha” (Fonte). Na hora, Ana não achou que aquilo era discriminação, mas depois ela começou a perceber como isso era frequente, e passou a defender outras mulheres que viriam a passar pela mesma situação. Vale muito a pena ler mais sobre a sua história!

  • LUIZA HELENA TRAJANO 

Luiza Helena Trajano nasceu em 1951 e é a grande mulher que comanda a rede de lojas Magazine Luiza. Hoje em dia, sua rede é uma das maiores e mais conceituadas do mercado de varejo. Há mais de 25 anos sendo a líder, essa mulher é uma inspiração para todas que desejam alcançar sucesso e estar a frente de grandes empresas. Leia mais aqui.

#Respeitaasmina #7: Cecília Meireles

Pra finalizar a nossa semana especial de mulheres incríveis, hoje vamos falar de mais uma brasileira fantástica: Cecília Meirelles.

Cecília Benevides de Carvalho Meireles nasceu no ano de 1901 na cidade do Rio de Janeiro. Órfã de pai e mãe, foi criada pela avó, e desde muito cedo, destacou-se pelo seu empenho escolar e interesse pelos livros. Foi poetisa, professora, jornalista e pintora. Também adorava música, chegou a estudar canto, violão e violino no Conservatório Nacional de Música. Por meio de uma criação solitária e muito introspectiva, Cecília viu nos estudos o seu porto seguro.

Iniciou sua carreira docente no ano de 1918 com 17 anos, quando foi nomeada professora adjunta na Escola Pública Deodoro. Preocupada com a escassez de livros didáticos, Cecília escreveu livros para escolas primárias, e publicou em 1924 o seu primeiro livro infantil com prosas chamado Criança, Meu Amor. Porém, sua estréia oficial literária aconteceu mesmo em 1919, através do livro de sonetos Espectros.

Uma das suas obras de maior destaque foi o livro Romanceiro da Inconfidência, de 1953. Nele, estão reunidos diversos poemas da autora que contam a história de Minas Gerais no inicio de sua colonização, até a Inconfidência Mineira, revolta ocorrida no fim do século 18.

“…Liberdade, essa palavra
que o sonho humano alimenta
que não há ninguém que explique
e ninguém que não entenda…”
(Romanceiro da Inconfidência)

Cecília Meireles

Cecília ficou conhecida por sempre defender uma escola com princípios de liberdade, inteligencia, de estímulo a observação e experimentação. Além disso, seus poemas possuem uma simplicidade e fluidez que dificilmente outros autores conhecidos (principalmente mulheres) haviam na época. Ao todo, foram mais de 60 obras publicadas, e prêmios e homenagens que seu nome carrega até hoje. Meireles morreu no mês de Novembro de 1964, vítima de um câncer.

Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,
Assim calmo, assim triste, assim magro,
Nem estes olhos tão vazios,
Nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
Tão paradas e frias e mortas;
Eu não tinha este coração
Que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
Tão simples, tão certa, tão fácil:
– Em que espelho ficou perdida
a minha face?

Cecília Meireles

_____________

Canção

No desequilíbrio dos mares,
as proas giram sozinhas…
Numa das naves que afundaram
é que certamente tu vinhas.

Eu te esperei todos os séculos
sem desespero e sem desgosto,
e morri de infinitas mortes
guardando sempre o mesmo rosto

Quando as ondas te carregaram
meu olhos, entre águas e areias,
cegaram como os das estátuas,
a tudo quanto existe alheias.

Minhas mãos pararam sobre o ar
e endureceram junto ao vento,
e perderam a cor que tinham
e a lembrança do movimento.

E o sorriso que eu te levava
desprendeu-se e caiu de mim:
e só talvez ele ainda viva
dentro destas águas sem fim.

Cecília Meireles

_____________

Lua adversa

Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua…
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua…)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua…
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu…

Cecília Meireles

Referências: 1 | 2 | 3 | 4

#Respeitaasmina #6: Nina Simone

Eunice Kathleen Waymon, mais conhecida pelo nome artístico de Nina Simone, nasceu no ano de 1933, em Tryon, Carolina do Norte, Estados Unidos. A infância de Nina foi pobre e simples, porém, isso não a impediu de se interessar pela música desde cedo. Começou a cantar em bares de cabarés para poder se sustentar. Além da sua voz única que misturava jazz, blues, folk, soul e música clássica, ficou conhecida também por ser uma mulher de fibra, e que lutava bravamente pelos direitos civis dos negros.

“Eu podia cantar para ajudar meu povo e isso se tornou o principal esteio da minha vida. Nem o piano clássico, nem a música clássica, nem mesmo a música popular, mas a música dos direitos civis.” Nina Simone

A música era definitivamente a sua melhor arma. Nina foi uma mulher incrível justamente por não ter medo de se posicionar, e ser uma das primeiras mulheres negras a frequentar diversos espaços. Suas músicas expressavam os seus sentimentos e o ativismo contínuo.

Quando tinha somente 17 anos, mesmo dedicando-se inteiramente, não foi aceita em um conservatório de música clássica, chamado Curtis Institute of Music. Nina atribui essa rejeição ao fato de ser uma mulher negra, e isso tudo só a fez ter ainda mais vontade de lutar por sua música e seus diretos como mulher.

Na década de sessenta, casou-se com o detetive Andrew Stroud, que mais tarde veio a se tornar o seu empresário, e teve sua única filha chamada Lisa Simone. Os dois se separam anos mais tarde, devido aos diversos desentendimentos. Segundo fontes, ele até mesmo havia espancado ela.

Em 1963, a sua música Mississipi Goddam tornou-se um hino da causa negra. A canção fala do um assassinato de quatro crianças negras em uma igreja de Birmingham. A partir de então, Nina envolveu-se completamente com as causas do povo negro e não parou mais.

No início da década de noventa, com mais de cinquenta anos de idade, Nina descobriu um câncer de mama em estágio avançado, e lutou bravamente contra ele por mais de dez anos. Também foi diagnosticada com uma forte depressão e com transtorno bipolar. As diversas medicações prejudicaram bastante a sua vida, especialmente em sua carreira, além de passar a conviver com crises de pânico e ansiedade constantemente. Ela faleceu no ano de 2003, aos 70 anos de idade, na França.

Recentemente, a Netflix lançou um documentário que conta sobre a vida de Nina Simone, com um enfoque no seu transtorno bipolar. Mesmo assim, existem outros documentários pela internet que contam mais detalhes da sua carreira musical e artística. Ainda assim, da pra ter um gostinho do que foi esse ícone assistindo o trailer abaixo, confira:

E aí, gostou de conhecer um pouco mais sobre a Nina Simone? Tem algum outro fato da história dela que gostaria de acrescentar? Escreve pra gente nos comentários e não deixa de compartilhar com outras mulheres igualmente incríveis que você conhece. 🙂

Referências: 1 | 2 | 3