5 Grandes mulheres empreendedoras para você se inspirar

Quem acompanha o nosso trabalho, sabe que estamos o tempo todo falando de mulheres e empreendedorismo, e em como estas duas palavras juntas combinam muito! Já havíamos comentado aqui sobre os números existentes nesse setor. Você sabia que apesar das mulheres criarem mais empreendimentos, elas ainda possuem mais dificuldade para se manter no mercado? Pensando nisso, elaboramos este post com 5 GRANDES EMPREENDEDORAS MULHERES para você se inspirar e quem sabe, colocar o seu empreendimento em prática também. 🙂

  • PAOLA CAROSELLA

A nossa primeira DIVA da lista cresceu em meio pomar, rodeada de galinhas e coelhos. Começou a trabalhar cedo em cozinhas de restaurantes da Argentina, e hoje, é uma grande chef internacional. Ficou conhecida principalmente ao se tornar jurada da versão brasileira do programa Masterchef, transmitido pela Band. Atualmente, é dona do restaurante La Guapa. Veja mais detalhes da sua trajetória aqui.

  • PAULA ABREU

A Paula Abreu é principalmente conhecida pelo programa Escolha Sua Vida. Suas trajetórias profissionais e pessoais nos ensinam que é preciso ter garra todos os dias para enfrentar o desconhecido. Advogada por formação, a Paula largou o mundo corporativo para viver daquilo que mais amava: escrever. E tem dado muito certo até hoje. Conheça parte da sua história aqui. 

  • RAFAELA CAPPAI

A Rafa Cappai é mesmo uma empreendedora criativa de mão cheia. Jornalista por formação, é também atriz, bailarina, empreendedora, escritora, professora, mestre em empreendedorismo criativo. A gente já falou bastante dela por aqui em outros momentos. Atualmente, ela é a comandante de Espaçonave, além de liderar diversos outros projetos e iniciativas criativas mundão a fora. Clique aqui para ver o site dela e conhecer mais dessa mulher incrível.

  • ANA FONTES 

Pra quem não sabe, Ana Fontes é a grande mulher por trás da Rede Mulher Empreendedora (RME), a primeira plataforma de apoio ao empreendedorismo feminino no Brasil. Tudo começou porque um dia Ana foi descriminada por ser mulher numa entrevista de emprego. O entrevistador viu o seu currículo e disse: “É fantástico. É igual à vaga. Pena que você é mulher. Quero alguém que seja forte, que seja macho e que brigue com os funcionários e você tem cara de muito boazinha” (Fonte). Na hora, Ana não achou que aquilo era discriminação, mas depois ela começou a perceber como isso era frequente, e passou a defender outras mulheres que viriam a passar pela mesma situação. Vale muito a pena ler mais sobre a sua história!

  • LUIZA HELENA TRAJANO 

Luiza Helena Trajano nasceu em 1951 e é a grande mulher que comanda a rede de lojas Magazine Luiza. Hoje em dia, sua rede é uma das maiores e mais conceituadas do mercado de varejo. Há mais de 25 anos sendo a líder, essa mulher é uma inspiração para todas que desejam alcançar sucesso e estar a frente de grandes empresas. Leia mais aqui.

#Respeitaasmina #4: Frida Kahlo

Quando falamos em mulheres fortes e inspiradoras, claro que não podemos deixar Frida Kahlo de fora. E é por isso que, hoje nos inspiraremos um pouquinho mais com a história dela. A pintora mexicana Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderon, se tornou uma das pintoras de maior destaque no cenário mexicano e mundial, por causa de sua pintura cheia de cores e personalidades.

Frida Kahlo

Revolucionária e destemida para sua época, Frida também sempre foi muito patriota e usava a sua pintura como fonte de expressão. Em muitos de seus quadros, ela retratava fases de sua vida, como por exemplo um dos abortos que sofreu, seu problema de coluna, que surgiu devido a um acidente que a deixou sem caminhar por muitos anos, e também retratos de seu marido, o também pintor Diego Rivera, que foi infiel durante toda a sua vida. Sendo assim, muitos de seus quadros são melancólicos e até mesmo chocantes, apesar de suas cores alegres (característica de sua origem mexicana, assim como suas roupas).

“Eu pinto-me porque estou muitas vezes sozinha e porque sou o tema que conheço melhor”.  Frida Kahlo

Quadro ‘A Coluna Partida’ – 1944
Quadro ‘As duas Fridas” – 1939
Quadro ‘Sin Esperanza’ – 1945

Frida não teve uma vida fácil. Uma mulher de fibra, que soube superar através da pintura seus medos, fraquezas e problemas. Principalmente em uma época em que assuntos como infidelidade, aborto e bissexualidade eram pouco falados. Por esses e tantos outros motivos, ela é até hoje conhecida como símbolo de feminismo e inclusive se tornou uma figura popular para o tema, em forma de camisetas, quadros, xícaras e outros objetos.

Hoje, quem vai ao México, pode visitar a Casa Azul, lugar onde a pintora nasceu e que agora funciona como museu. A sua história também está presente no livro O Diário de Frida Kahlo – Um Auto Retrato íntimo, que foi escrito por ela, e conta sobre momentos importantes de sua vida, até seus últimos dias. E, para os cinéfilos de plantão, há também o filme Frida, lançado em 2002 e estrelado por Salma Hayek.

Páginas do diário de Frida
Páginas do diário de Frida
Páginas do diário de Frida

Frida Kahlo faleceu em 1954, após contrair pneumonia. Porém, sua determinação e força seguem conosco até hoje, inspirando a todas as mulheres.

Referências: 1 | 2 | 3

 

Mulher: de quem é o seu corpo?

Recentemente, a youtuber e jornalista Alexandra Gürgel do canal Alexandrismos, fez um vídeo ma-ra-vi-lho-so que fala sobre Machismo vs Pressão Estética. Se você não viu esse vídeo ainda, recomendo parar de ler esse texto agora mesmo e assistir tudo clicando aqui, e só então voltar aqui para continuar. 🙂

Alexandra e a querida Eva no vídeo “Machismo vs Pressão Estética”

Resolvi fazer um post sobre esse vídeo, pois ele me fez lembrar de diversas questões a cerca da mulher e do seu corpo que já pairavam minha cabeça antes, mas que eu ainda não havia conseguido formular em palavras. Sabe aqueles pensamentos que você sempre teve mas não sabe explicar? Pois é, a Alexandra fez esse trabalho (com muito estudo e pesquisa, diga-se por sinal).

Eu acho que estes temas são de IMENSA importância pois trazem uma questão do machismo que eu vejo muitas pessoas (mulheres principalmente), ignorando ou simplesmente não dando a devida importância, que é a pressão estética.

Como a Alê cita no vídeo, pressão estética nada mais é do que aquela pressão gigante que toda mulher (e homens também), sofrem antes mesmo de saberem ler ou escrever, a respeito dos seus corpos e “belezas”, para poderem se encaixar em um padrão determinado pela nossa sociedade. Um padrão de beleza, diga-se de passagem, baseado em décadas de machismo e em corpos com características que não correspondem a maioria da população brasileira. As mulheres é claro, sofrem muito mais do que os homens, pois nossa beleza é julgada SEMPRE em primeiro lugar, antes de nossas qualidades profissionais ou pessoais. Como ela diz no vídeo, um homem dificilmente vai ter sua capacidade profissional colocada em dúvida por ser careca por exemplo, já a mulher, dificilmente ganha a mesma notoriedade se não for magra e usar maquiagem e salto alto.

Easton Oliver

Mas então, eu me pergunto: o que nós mulheres podemos fazer para mudar esse quadro? O que devemos fazer para tomarmos posse dos nossos corpos e finalmente sermos respeitadas e notadas por quem verdadeiramente somos?

♀ SORORIDADE

Existe uma palavra mágica, que apesar de já ser bastante conhecida hoje, ainda não é usada com eficiência: sororidade.

Sororidade é a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum. (Fonte)

Omar Lopez

Em poucas palavras, eu diria que nada mais é do que a velha e boa união entre mulheres. Sabe aquele papo antigo de que mulheres só sabem brigar e fazer fofoca umas das outras? Esqueça isso. Primeiramente, para empoderarmos os nossos corpos, precisamos ter empatia umas com as outras. Isso não significa que devemos ser apáticas e aceitar tudo o que as outras mulheres fazem sem questionar, muito pelo contrário. Significa primeiramente, acolher e se colocar no lugar da outra, antes de julgá-la ou xingá-la. Algo que parece simples num primeiro momento, mas que hoje em dia na prática, com a internet, tem sido bem difícil. Pense e pesquise muito a respeito antes de criticar qualquer pessoa (principalmente se for outra mulher).

♀ RESPEITAR TODOS OS TIPOS DE CORPOS

Algo tão simples mas tão difícil até mesmo nos dias de hoje. Com esse mundo tão grande que temos e com tantas pessoas diferentes, ainda assim, as pessoas não entendem que ninguém é igual a ninguém. Existem pessoas baixas, altas, gordas, magras, largas, estreitas, brancas, pretas, ruivas, com sardas, com espinhas, com pintas, com celulite, sem celulite, de nariz grande, de coxa grossa, de nariz pequeno, com nariz torto, com dentes amarelos, brancos, olhos azuis, castanhos, etc, etc, etc… Ufa! Poderia ficar até amanhã aqui citando os diferentes corpos e suas respectivas características. Se somos tão variadas e tão cheias de pequenos detalhes, porque obrigamos todos a seguir um mesmo padrão de corpo?  Respeite os diversos corpos que existem no nosso mundo, principalmente aqueles que são tão diferentes do seu.

♀ QUESTIONAR PESSOAS MACHISTAS

Sabe aquele seu tio mais velho que em toda festinha de família sempre larga aquela piadinha/comentário sem graça: “lugar de mulher é na cozinha pilotando o fogão…”. Ou então: “feministas são mulheres frustradas e blá, blá, blá… (insira aqui qualquer adjetivo tosco sobre mulheres)”. Coloque-se na conversa e questione essas pessoas. Não deixe essa piada sem graça passar em branco. A idade de uma pessoa não é motivo para que ela destile o machismo por aí. Você não precisa brigar com ninguém e deixar o clima tenso, aliás, nem deve. Mas, tente enfrentar este tipo de pessoa com inteligencia e argumentos. Você vai ver que na maioria das vezes elas acabam sem respostas.

♀ VIVER A SUA VERDADE, INDEPENDENTE DOS OUTROS

Por último, mas não menos importante. Sabe aquele papo de que toda a mudança deve primeiramente partir de dentro de nós? Pois é, isso é a mais pura verdade. Não adianta a gente querer que o mundo mude, se nós mesmas não fazemos nada para que isso aconteça, e se a nossa postura interna é sempre de derrota ou anulação. Seja a mulher foda que você quer ver no mundo! Por mais que seja difícil e que o mundo inteiro lhe diga o contrário, tome posse do seu corpo e ocupe os lugares que você tem direito. Pode ser bem complicado em alguns momentos, mas, se você tiver pessoas boas do seu lado, e se munir de bons pensamentos, com certeza vai conseguir se impor quando precisar.

Brian Fraser

E aí, você tem mais alguma dica de uma ação que podemos tomar para ocuparmos os nossos corpos? Concorda com o vídeo da Alexandra? Então, escreve pra gente aqui nos comentários, e não esquece de compartilhar esse texto com todas as mulheres incríveis que você conhece! 🙂

5 Canais de mulheres incríveis que amamos | Parte 2

No ano passado, havia feito um post com 5 canais de mulheres incríveis que amamos. Como (felizmente) tem muita mulher fabulosa nesse nosso mundão a fora ❣, resolvi fazer a segunda parte destas indicações. Sério, tem MUITO conteúdo foda, feito por mulheres mais fodas ainda.

1 | AFROS E AFINS, POR NÁTALY NERI

A Nátaly é simplesmente uma das mulheres que eu mais respeito dentro do Youtube, sério, sem exageros. Essa jovem mulher é estudante de ciências sociais e aborda temas polêmicos de maneira sensata e respeitosa. Ela fala principalmente sobre vivências da mulher negra, feminismo negro, em outros diversos temas que eu nem sabia que existiam, mas que passei a conhecer através do seu canal. Toda vez que eu tenho dúvida sobre algum tema atual, eu corro pro canal da Nátaly pra ver se ela já falou sobre aquilo, hahaha. Nesse vídeo que destaquei, ela faz um vlog sobre passar uma semana sem usar maquiagem e com o seu cabelo natural. É muito legal ver os seus comentários, indico muito. Recentemente, ela também fez um vídeo sobre a sua experiência de ficar 7 dias SEM INTERNET, sim isso mesmo! O resultado você pode conferir aqui, ficou simplesmente demais. Clique aqui para se inscrever no seu canal.

2 | LULLY DE VERDADE

A Lully é uma querida e entende TUDO de cinema. O canal dela se chama Lully de Verdade, e fala basicamente de filmes e séries, trazendo o seu relato pessoal em torno das obras. Ela também tem alguns vídeos mais pessoais como vlogs, ou de comentários de outros assuntos. Nesse vídeo que eu destaquei, ela fala da importância do novo filme da Mulher Maravilha, de um ponto de vista de alguém que nunca foi tão fã da história, mas que mesmo assim entende e respeita a produção. Se você é mulher e curte cinema, tá na hora de conhecer a Lully! Te inscreve lá no canal dela já, clique aqui.

3 | LOUIE PONTO

A Louie é outra querida que eu sigo e recomendo muito. Pensa numa mulher doce e calma, amante de livros e muito bem posicionada em vários aspectos. Ela fala sobre relacionamento, auto-estima, vivências LGBT, preconceito, filmes,  livros, e qualquer outro assunto que julgue pertinente, mas sempre a partir de um olhar reflexivo e doce sobre o tema. Ela tá sempre com o seu chá na mão, e você sente que ela está realmente conversando com você, é muito legal. Clique aqui para conhecer.

4 | NUNCA TE PEDI NADA, POR MAÍRA MEDEIROS

Essa é com certeza a mulher mais colorida da nossa internet atualmente, hahaha. A linda Maíra Medeiros comenta sobre auto-estima, relacionamento, empoderamento feminino, feminismo, entre outro diversos temas que particularmente, acho bem bacana a visão que ela traz. A Maíra tem esse cabelo todo colorido e não tem medo de expressar todo o estilo dela. Nesse vídeo que inseri aqui no post, ela fala sobre a pressão estética que a cantora Rihanna vem sofrendo por ter engordado. Sério, gente, você viram isso? Patético não? A Maíra ta sempre comentando sobre esses assuntos que dão um nó na nossa mente. Te inscreve clicando aqui.

5 | DE PRETAS, POR GABI OLIVEIRA

Por fim, o De Pretas é o canal mais recente dessa lista que eu me inscrevi, e devo dizer que estou amando tudo o que a Gabi tem produzido. Recentemente, ela viajou para os EUA e está passando um tempo lá aprendendo inglês e vivendo diferentes culturas. Quem acompanha ela pelo Instagram também, pode ver de perto a sua rotina, e todas as vezes que ela perde o ônibus, hahaha (pra quem acompanha o stories). A Gabi fala de auto-estima da mulher negra, feminismo, relacionamento, vivências da mulher negra e vários outros temas que envolvem questões como preconceito, beleza afro, entre muitos outros. Para visitar o canal dela, clique aqui. 🙂

E aí gente, gostaram dessa lista? Têm mais algum canal de uma mulher incrível pra indicar? Deixa aí nos comentários se você conhece mais alguém, e não deixa de se inscrever no nosso canal também né? 😛 Clique aqui e vem acompanhar os nossos vídeos de perto. 😀

5 Filmes com mulheres incríveis para você assistir

Quem nunca se deixou levar por um bom filme, que atire a primeira pedra. Cinema é tudo de bom não é? É maravilhoso poder conhecer histórias tão diversas e inspiradores, ainda mais se elas vêm recheadas de mulheres incríveis e inteligentes. Tá buscando alguns filmes com destaque feminino para se inspirar nesse novo ano? Então, chega mais porque tem umas lista com 5 deles aqui! 😀

▪ FRIDA (2003)

Sinopse: Frida Kahlo (Salma Hayek) foi um dos principais nomes da história artística do México. Conceituada e aclamada como pintora, ele teve um agitado casamento aberto com Diego Rivera (Alfred Molina), seu companheiro também nas artes, e ainda um controverso caso com o político Leon Trostky (Geoffrey Rush), além de várias outras mulheres. (Fonte)

Opinião: Esse é um daqueles filmes que vão te fazer refletir sobre a vida, antes de tudo. Pra quem gosta de arte é mais que um prato cheio, é um banquete enorme. 😀 A história da artista Frida Kahlo é simplesmente sensacional, cheia de acontecimentos catastróficos, é verdade, mas a maneira como essa mulher incrível conduz a vida é surpreendente.

▪ MULHER MARAVILHA (2017)

Sinopse: Treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível, Diana Prince (Gal Gadot) nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Trevor (Chris Pine) se acidenta e cai numa praia do local, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar seu lar certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra. (Fonte)

Opinião: Essa é a minha indicação para as mulheres fãs de HQs e heroínas. Todo mundo conhece a história da Mulher Maravilha não é mesmo? Mas nesse novo filme de 2017, é possível ver uma nova mulher maravilha modernizada, e é claro, muito empoderada. A atriz Gal Gadot interpretou uma super heroína, e fez vários fãs babarem por aí com a sua atuação. Vale muito a pena assistir!

▪ ESTRELAS ALÉM DO TEMPO (2017)

Sinopse: 1961. Em plena Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética disputam a supremacia na corrida espacial ao mesmo tempo em que a sociedade norte-americana lida com uma profunda cisão racial, entre brancos e negros. Tal situação é refletida também na NASA, onde um grupo de funcionárias negras é obrigada a trabalhar a parte. É lá que estão Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe), grandes amigas que, além de provar sua competência dia após dia, precisam lidar com o preconceito arraigado para que consigam ascender na hierarquia da NASA. (Fonte)

Opinião: Esse é o único filme aqui dessa lista de indicações que eu ainda não assisti, portanto, não posso opinar sobre. Mesmo assim, deixo aqui com vocês um vídeo produzido pela Nátaly Neri no seu canal do Youtube, chamado Afros e Afins, clique aqui para ver. A Nátaly fez uma resenha super legal sobre o filme, principalmente falando sobre o protagonismo das mulheres negras, e como foi o trabalho delas na época.

▪ THE RUNAWAYS – GAROTAS DO ROCK (2010)

Sinopse: Los Angeles, 1975. Joan Jett (Kristen Stewart) tinha o sonho de montar uma banda de rock, formada apenas por mulheres. Ela encontra apoio em Cherrie Currie (Dakota Fanning), que integra a banda, e no empresário Kim Fowley (Michael Shannon). Com ele as integrantes da banda The Runaways levam uma vida desajustada e, apesar de apresentarem um som cru, alcançam o sucesso graças ao talento de Joan e o visual sensual de Cherie. (Fonte)

Opinião: Esse é um filme pras mulheres fãs de rock n’ roll! O filme é baseado na história real da banda The Runaways, formada em 1975, na Califórnia, nos EUA. No longa, é possível acompanhar de perto a rotina de algumas das principais estrelas de rock da década de setenta. Um grande banda de rock composta apenas por mulheres, cheias de atitude e personalidade forte.

▪ O SORRISO DE MONA LISA (2004)

Sinopse: Katharine Watson (Julia Roberts) é uma recém-graduada professora que consegue emprego no conceituado colégio Wellesley, para lecionar aulas de História da Arte. Incomodada com o conservadorismo da sociedade e do próprio colégio em que trabalha, Katharine decide lutar contra estas normas e acaba inspirando suas alunas a enfrentarem os desafios da vida. (Fonte)

Opinião: O Sorriso de Mona Lisa é o filme mais querido do meu coração. ❣ Não só porque a atriz Julia Roberts é sensacional, mas também porque esse é uma história que traz uma protagonista feminina ansiosa por quebrar barreiras e mostrar algo a mais as suas alunas. E devo logo lhe adiantar, que o final surpreende. Mais do que recomendado!

?

Deixe a Rupi Kaur fazer você sentir

A melhor definição que encontrei para o livro “Outros jeitos de usar a boca” (em inglês Milk and Honey), foi: um livro que se resume a sentimentos.

Rupi Kaur, autora do livro, é indiana e vive no Canadá desde a infância, com seus pais e mais quatro irmãos. Além de escritora, ela também é artista visual de formação, e todas as ilustrações do livro foram feitas por ela. Empoderamento é o tema que mais gosta de abordar e se inspira em histórias e experiências das pessoas para escrever.

Linda não? 🙂

Kaur ficou conhecida antes da publicação de seu famoso livro, utilizando o Instagram e o Tumblr para divulgar os seus trabalhos. Em 2015 fez uma série fotográfica sobre menstruação, com o intuito de quebrar o tabu que existe sobre o tema. Por duas vezes teve uma foto da série excluída do Instagram. Foi no Facebook, com a mesma foto e a seguinte declaração:

“Obrigada Instagram por fornecer a resposta exata que meu trabalho foi criado para criticar. Vocês deletaram a minha foto duas vezes, afirmando que ia contra as diretrizes da comunidade. Eu não vou pedir desculpas por não alimentar o ego e orgulho de uma sociedade misógina que terá o meu corpo em uma roupa íntima, mas não está de acordo com um pequeno vazamento quando as suas páginas estão cheias de incontáveis fotos/contas onde mulheres (muitas menores de idade) são objetificadas, pornificadas e tratadas como menos que humanas.”.

Posteriormente o Instagram se desculpou, restaurando sua foto e alegando ter sido deletada por engano.

Tem como marca a maneira que escreve seus textos, pois não são utilizadas letras maiúsculas nem qualquer tipo de pontuação, exceto pontos finais, Rupi quis utilizar características de seu idioma nativo que é escrito desta maneira. Em outubro deste ano lançou seu segundo livro “The sun and her flowers”, que ainda não foi traduzido para português.

“Outros jeitos de usar a boca” foi o primeiro livro da escritora, publicado pela primeira vez em 2014, quando tinha apenas 21 anos. Já foram vendidos mais de meio milhão de exemplares pelo mundo todo. O livro é dividido em quatro partes: a dor, o amor, a ruptura e a cura.

Uma das coisas que mais impressiona é a quantidade de emoção que uma pessoa tão jovem foi capaz de colocar nessas páginas, falando sobre amor, feminilidade, abuso, perda e trauma. Alguns dos poemas que li foram capazes de me fazer refletir por bons minutos e o mais incrível é que isso acontecia com os menores textos. Foi lendo este livro que tive mais certeza do poder que as palavras têm e do impacto que elas podem causar na vida das pessoas. É um livro com trechos muito fortes, provavelmente por serem muito reais. É rápido de ler, e capaz de fazer com que o leitor vá da raiva ao amor e da tristeza ao conforto em pouquíssimo tempo.

Foi difícil não transcrever o livro todo, mas deixei aqui alguns dos meus poemas preferidos do livro. Espero que gostem tanto quanto eu. Depois contem nos comentários o que acharam!

▪ A DOR ▪

“você tem dores

morando em lugares

em que dores não deveriam morar.”

“você me diz para ficar quieta porque

minhas opiniões me deixam menos bonita

mas não fui feita com um incêndio na barriga

para que pudessem me apagar

não fui feita com leveza na língua

para que fosse fácil de engolir

fui feita pesada

metade lâmina metade seda

difícil de esquecer e não tão fácil

de entender.” 

 

▪  O AMOR ▪

“não quero ter você

para preencher minhas partes vazias

quero ser plena sozinha

quero ser tão completa

que poderia iluminar a cidade

e só aí

quero ter você

porque nós dois juntos

botamos fogo em tudo.”

“você me tocou

sem precisar

me tocar.” 

 

▪  A RUPTURA ▪

“eu não fui embora porque

eu deixei de te amar

eu fui embora porque quanto mais

eu ficava menos

eu me amava.”

“eu tive que ir embora

eu estava cansada

de deixar que você

me fizesse me sentir

qualquer coisa

menos que inteira.”

 

▪  A CURA ▪

“a solidão é um sinal de que você está precisando desesperadamente de si mesma.”

“quero pedir desculpa a todas as mulheres

que descrevi como bonitas

antes de dizer inteligentes ou corajosas

fico triste por ter falado como se

algo tão simples como aquilo que nascer com você

fosse seu maior orgulho quando seu

espírito já despedaçou montanhas

de agora em diante vou dizer coisas como

você é forte ou você é incrível

não porque eu não te ache bonita

mas porque você é muito mais do que isso.”

Conheça o projeto “Princesas de capa, Heróis de avental”.

Um projeto inovador, em forma de crítica às famosas “escolas de princesas”. Esse projeto é voltado para crianças e adolescentes entre 6 e 14 anos e seu principal objetivo é estimular o pensamento crítico, além de enfrentar o machismo e as desigualdades.

Caroline Hernandez

Nathália Borges e Caroline Arcari, que são coordenadoras do projeto, acreditam que ele ajudará os jovens a desenvolverem pensamentos críticos e fazerem escolhas conscientes em seus futuros. Acreditando que cada um pode ser o que quiser, independente de padrões impostos pela sociedade.

Tanto meninos quanto meninas são bem vindos a participar do projeto, que conta com atividades além dos padrões que já estamos acostumados, como por exemplo, uma princesa que sonha em casar com um príncipe, ou então um super-herói cheio de poderes.

Daniel Cheung

Gostou da ideia? Então acesse o curso online e inscreva-se AQUI.

E o PAGU completa seis meses!

Ok, sabemos que o tempo voa. Mas não poderíamos deixar passar em branco o aniversário de 6 meses do nosso bebê querido, o Projeto Pagu. Ele foi criado durante um café despretensioso entre duas amigas com milhões de dúvidas sobre seus futuros e se tornou o nosso xodó. É um prazer imenso cada bate-papo que fazemos, cada texto que escrevemos e cada reunião interna também. Sem falar do puta orgulho que sentimos toda vez que o projeto aparece em alguma mídia.

Gaelle Marcel

O Pagu surgiu pra conectar, inspirar e ajudar todas as mulheres criativas desse Brasilzão. (Sim, a gente pretende ir longe e levar o Pagu pelo país inteiro! Afinal, quanta mulher foda tem por aí, né?) Queremos também mostrar pra todo mundo, que a mulherada precisa se unir. Precisamos nos ajudar para irmos além. Nada de competir! Cada uma tem seus talentos únicos, que precisam ser mostrados.

Gostaríamos de agradecer a todo mundo que vem nos ajudado, nos motivado e nos acompanhado por aqui. Mulherada, obrigada por lerem, comentarem e compartilharem o que escrevemos. A gente faz tudinho aqui pensando em vocês!

E pra celebrar esses 6 meses de muito trabalho duro, temos comemorações! Dia 09/11 (quinta-feira), faremos uma LIVE no Instagram, onde falaremos sobre processos criativos e também responderemos perguntas. (Então prepara a sua aí!). E também separamos aqui os 5 posts mais acessados do nosso blog, caso você tenha deixado de ver algum:

  1. Bate-Papo com a arte-educadora Klau Brentano
  2. Bate-Papo com a ilustradora Camila Averbeck 
  3. Bate-Papo com a empreendedora criativa Michelle Reis
  4. Bate-Papo com a estilista Thaís Vargas
  5. Vídeo sobre consumo sustentável com Morgana Luz

E que o Pagu possa ficar velhinho e cheio de energia! <3

O que acontece quando tiramos os homens do poder?

Infelizmente, a maioria dos cargos de poder ainda são ocupados por homens. Aquela cena bem clássica, do homem alto e engravatado, com barba bem aparada e voz grave, impondo respeito. Mas está na hora de mudar um pouco essa situação, não é mesmo?

Pensando nisso,  A revista ELLE do Reino Unido decidiu impactar, criando uma campanha chamada “More Women” (ou Mais Mulheres, em português). Ela consiste em um vídeo bem curtinho, que nos mostra a quantidade de homens x mulheres presentes em cargos de poder e alto escalão.

É triste constatar que o número de mulheres ainda é bem baixo, comparado ao número de homens. Porém, precisamos fazer a nossa parte para mostrar ao mundo a quantidade de mulheres poderosas que temos por esse mundo afora!

Lembrando que a dica de pauta é da nossa leitora Maiara De Almeida Ellwanger.

Música empoderada: Karol Conka

Se você mora nesse mundo, certamente já ouviu o nome dessa mulher em algum lugar. Ou talvez não saiba quem ela e, mas possivelmente ouviu a sua música em alguma rádio. Karoline dos Santos Oliveira, mais conhecida como Karol Conka, é a atual mulher empoderada da música brasileira que você respeita.

Com suas madeixas rosas, seja de cabelo curto, num black, ou de tranças, a curitibana de  apenas 30 anos, (sim, mulheres de 30 vocês estão na flor da idade), TOMBA MUITO por onde passa.

Eu vou ser sincera pra vocês e dizer que ouço pouca música brasileira. Eu sei, isso é um erro. Com tantos talentos incríveis por ai, as vezes me sinto culpada por não estar tão atenta ao que ocorre na música no nosso país. Mas, sabe, quando vi essa mulher cheia de atitude, negra, de cabelo curto, falando de sexo oral na mulher sem tabu por aí, cara… fui OBRIGADA a parar e escutar. E poxa, devo dizer, essa ela me conquistou demais. ❤

Seja pelos seus clipes lacradores ou pela sua coragem de expor a sua arte, suas músicas exaltam a força da mulher na sociedade.

Sua história de vida e nas artes é a mesma que muitas de nós. De origem humilde, sempre teve afinidade com a música desde jovem, porém, em um meio de poucas oportunidades. No inicio da sua vida adulta, ainda ficou grávida do seu primeiro filho, Jorge, o que foi uma grande surpresa na sua vida. Mãe, mulher, negra, feminista, Karol mesmo assim fez questão de continuar investindo nos seus talentos, e não deu outra, virou esse grande sucesso que é hoje!

Bora ouvir?

https://www.youtube.com/watch?v=9bY4qEFgOrE

A letra dessa última é demais, da uma olhada:

Você me subestima, eu continuo nem aí
Vivo na brisa e o que me incomoda deixa de existir
Se apavora ao ver que cada vez mais posso progredir
Passa, ignora e percebe que não tem pra onde fugir

Vejo você cair, querendo admitir
Que o meu processo apesar de ser lento pode fluir
Herdeira dos meus ancestrais, cultivando a paz, que o verde me traz
Espalho minha mensagem e nada mais (…)

Você demorou muito tempo pra perceber
Que ficar me julgando só te levou a perder
Nessa vida não basta querer ser
Tem que tá na veia, saber fazer

Mas você se distrai, confunde o meu valor
Sai falando demais, fica puto enquanto eu vou
Pronde você não vai, você não vai
Pronde você não vai, você não vai

❤❤❤

Curtiu também? Então siga a cantora nas redes sociais: Facebook | Instagram | Twitter 

EMBRACE: Um documentário que toda mulher precisa assistir

A maioria das mulheres sofrem com a pressão e conflito diário de aceitar seu corpo do jeitinho que ele é. Ainda mais durante a maternidade. É normal (aceite isso!) que surjam estrias, celulites, ganho de peso, flacidez… e nem por isso você é, ou será, menos bonita!

A australiana Taryn Brumfitt prova isso em seu documentário, intitulado “Embrace – One woman’s journey to inspire everyBODY”. Tudo começou quando ela publicou no Facebook uma foto sua antes/depois da gravidez de um dos seus três filhos. A intenção dela era fazer com que muitas mulheres aprendessem a aceitar seus corpos, sem medo de mostrá-los. A imagem viralizou e foi muito compartilhada, o que deu a Taryn a ideia de criar um documentário.

Após descobrir que 91% das mulheres não gostam de seus corpos, ela viajou pelo mundo, conhecendo mulheres de diversos biotipos, culturas, estilos. Com certeza, você precisa acrescentar esse documentário em sua lista de favoritos da Netflix para conhecer as mulheres fantásticas que existem por aí.

Uma aula de autoestima, que nos faz refletir sobre nossa vida e nosso corpo. E, claro, tendo sempre em mente que a saúde é muito mais importante do que a aparência.

Bora preparar a pipoca e assistir?

Você não precisa ser salva

Eu nunca fui muito fã de contos de fadas. Assisti a muitas narrativas conhecidas, como Branca de Neve, Cinderela, Rapunzel, e muitas outras. Mas, me lembro de questionar essas histórias ainda muito jovem, por volta dos meus 10 ou 11 anos, bem na época em que minha mãe (minha grande referência de vida) lutava contra um câncer de forma corajosa. Uma das pessoas mais importante da minha vida estava ali, sozinha, lutando bravamente contra um ser estranho em seu corpo, e vencendo mais esta, entre suas diversas batalhas da vida. Então, eu me perguntava: por que afinal aquelas mulheres das histórias precisavam de alguém que as salvassem?

Olhe ao redor! Dê uma olhada com mais atenção! Veja quantas moças, meninas, mulheres, mães, filhas, tias… estão diariamente escalando montanhas em suas vidas, completamente sozinhas, e de forma determinada. Não estou aqui dizendo que podemos dar conta de tudo de maneira solitária, muito pelo contrário. Mas sim, estou querendo chamar a atenção para a situação de que muito tempo de passou desde a criação destes contos de fadas, e muita coisa no mundo mudou depois disso. Aquela cena clássica da donzela em perigo, e que bravamente é salva por um homem (geralmente branco e loiro), não faz mais parte dos nossos dias. Talvez nunca tenha feito.

Foto de Jerry Kiesewetter

Daí agora você vai me dizer: “Mas Verlisa, os contos de fadas nunca foram reais! Tratam-se apenas de histórias antigas e que não têm nada a ver com a realidade!”. Sim, é exatamente isso, você está certa. Mas, agora me responda: o quanto será que você consegue assistir a uma história dessas e não se identificar com alguma personagem? O quanto você olha um filme e não se imagina nele, ou consegue não fazer associações com a sua vida? É difícil né? Eu sei. Nós estamos o tempo todo fazendo isso, e sempre de maneira inconsciente. Não somente com os contos de fadas, mas com todas as ficções em geral. Meninas crescem lendo histórias de princesas que precisam ser salvas, e por isso acreditam que nas suas vidas será assim também. Acredite, você não deve e não precisa ser salva. 

Foto de Tamarcus Brown

Nós mulheres conquistamos direitos e deveres que nos possibilitam ser mais independentes e principalmente, desenvolver a nossa capacidade de lidarmos com os problemas sozinhas. Assim também, como é essencial que possamos distinguir o momento exato de pedir ajuda, quando necessário. Ter alguém na vida que nos acompanha e nos apoia nos momentos difíceis é essencial, e todo ser humano precisa ter, seja um(a) amigo(a), um(a) companheiro(a), familiares, até mesmo um animal de estimação. Porém, independente da dor que você tem, ou a causa pela qual você está lutando, independente do fardo que você carrega, devemos sempre lembrar que ninguém poderá lhe salvar, a não ser você mesma. Por mais que as pessoas que estão ao seu redor lhe ajudem, é essencial que você aprenda a estar consigo, aceitando suas qualidades e defeitos para que saiba também lidar com os seus problemas de forma independente. Só quem aprende também a estar consigo, sabe o quão gratificante e libertador essa atitude pode ser. Pense nisso.

Movimento Vamos Juntas

Toda mulher, alguma vez durante a vida, já sentiu medo de caminhar sozinha pela rua. Seja pelo fato de a rua ser deserta, pelo horário, ou até mesmo por perceber que há uma pessoa estranha se aproximando. A insegurança se tornou cada vez mais frequente no dia a dia feminino. Mas, e se as mulheres se unissem para não precisar enfrentar esse trajeto sozinhas? Foi assim que surgiu o Movimento Vamos Juntas, criado pela jornalista Babi Souza em Porto Alegre.

O intuito do projeto é que as mulheres se unam nas ruas enquanto seguem seus destinos. Pois além de inibir o possível agressor e sentirem-se mais seguras, dessa maneira ainda pode nascer uma boa amizade. As mulheres precisam se unir e praticar a sororidade, que é a irmandade entre mulheres, ao invés de sentirem-se obrigadas e conformadas a viver com medo pelas ruas.

O movimento está fazendo tanto sucesso entre a mulherada, que está sendo super premiado e repercutido por todo o país e até mesmo no exterior. Quer conhecer mais sobre o projeto e aderir essa ideia? Acesse o site do Vamos Juntas!

E, lembre-se sempre: Juntas, somos mais fortes e vamos mais longe!

Os graffitis empoderados de Panmela Castro

Panmela Castro é uma artista e ativista feminista carioca, que utiliza da sua arte para comunicar questões ligadas ao feminismo pelo mundo. Com apenas 32 anos, ela possui um trabalho que busca provocar e polemizar as relações do corpo feminino, sexualidade da mulher, subjetividades, entre outros diversos assuntos. Ela é formada em Pintura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e, é Mestre em Artes pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) na linha de processos artísticos contemporâneos.

No graffiti em especial, Panmela dá um show! Atuando como professora há mais de 14 anos, ela ministra workshops e palestras de graffiti e igualdade de gênero para a Secretaria de Segurança Pública, Petrobrás e Academia Brasileira de Letras. Ela também é idealizadora, fundadora e presidente da Rede NAMI, uma organização de gênero que usa as artes urbanas para promover os direitos das mulheres. Bora conferir o que ela tem feito por aí?

Edmonton, USA
Madison, USA
Miami, USA
Paris, França
Rio de Janeiro, Brasil
Santiago, Chile
Jerusalém, Israel
Cochabamba, Bolivia
São Paulo, Brasil
Linãres, Espanha

Que tal conhecer os outros trabalhos da Panmela e seguí-la nas redes sociais? ?

Site/Portfólio | Facebook | Instagram | Intagram Portfólio | Rede NAMI

P.s: todas as informações e imagens foram retiradas diretamente do site e das redes sociais da artista.

O Clube do Bordado

Quem acha que bordar é passatempo de vó, está muito enganado. O bordado, além de ser uma arte, pode ser considerado também uma terapia, que trabalha concentração e paciência, e também um modo de comunicação e expressão. Diversos tipos de pontos e técnicas, nos permitem criar uma infinidade de ideias.

O coletivo Clube do Bordado surgiu em 2013 com a junção de 6 amigas e bordadeiras que resgataram a cultura dos trabalhos manuais e uniram bordado ao empoderamento feminino. As sócias talentosas, além de vender trabalhos autorais e originais como pingentes, camisetas e patches (tudo muito lindo! <3), ensinam bordado livre e outras técnicas em cursos pelo Brasil afora e também através de vídeos online em suas redes sociais.

Conheça mais sobre esse coletivo super especial! Inspire-se, tire aquele bastidor do armário, compre materiais de bordado (que aliás, elas vendem kits fofíssimos pelo site), e coloque a mão na massa! Você pode acessar o site do Clube do Bordado aqui e também o Facebook e Instagram. Tem muitas ideias e sonhos esperando para serem bordados! <3

Carol Rossetti e a Arte de Ilustrar a Realidade Feminina

Carol Rossetti é designer gráfico e ilustradora. Além de trabalhar com design em seu estúdio, é também criadora de dois projetos incríveis: O projeto Mulher e o projeto Cores.

O projeto Mulher alia ilustração à mensagens contra machismo, homofobia e racismo. Na luta por igualdade e respeito, Carol ilustra situações que todas nós já vivenciamos algum dia. São frequentemente abordados assuntos como tamanho do manequim, orientação sexual, estilo, etc.

Ela ressalta ainda que, por mais que suas personagens sejam garotas, este não é um projeto “para garotas”. O projeto é voltado a todos aqueles que se identificarem com uma ou mais situações. O “Mulheres” fez tanto sucesso que se tornou até livro. Se você gostou, pode adquiri-lo aqui: Mulheres – Retratos de Respeito, Amor-Próprio, Direitos e Dignidade.

Outro projeto da Carol que eu havia comentado no início do post, é o Cores. São quadrinhos com personagens infantis cheios de imaginação e que querem transformar o mundo em um lugar melhor.

E o mais legal: o Cores também se tornou livrinho e você pode adquiri-lo aqui.