E o Pagu completa 1 ano! (Vídeo #11)

Parece que foi ontem. Sabemos que essa frase é bastante clichê, mas não há outra maneira para expressar exatamente o que sentimos hoje. Há cerca de 1 ano atrás, nos encontrávamos para aquele que seria apenas mais um café despretensioso entre amigas. Sem muitas intenções, iniciamos o Pagu com ideias de inspirar e unir mulheres criativas de diversos lugares.

Inicialmente, com o objetivo de realizar bate-papos com mulheres criativas, aos poucos o projeto foi crescendo, e hoje, só temos a agradecer por todo mundo que já nos ajudou, e também, para aqueles que ainda acreditam nas nossas ideias. Desde Maio do ano passado, a gente vem produzindo textos e vídeos com o intuito de ajudar mulheres que, assim como nós, encontraram na criatividade sua maior fonte de expressão pessoal e profissional.

Para animar ainda mais esse post, nós fizemos um vídeo com uma breve retrospectiva, e agradecemos também várias pessoas que passaram por nós. Esperamos que gostem, e não esqueçam também que esse mês será um período totalmente dedicado ao nosso aniversário. Preparem-se que vai rolar VÍDEO TODA SEMANA, e vários outras surpresas que ainda estamos preparando. 🙂

INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL! 

#respeitaasmina #8: Madonna

No mês de março, fizemos uma série de posts sobre mulheres quem foram importantes e revolucionárias no mundo das artes. O #respeitaasmina fez tanto sucesso, que decidimos levá-lo adiante e continuar compartilhando histórias das mulheres fodásticas que existem no planeta.

Hoje, contaremos um pouco sobre uma das maiores musas da história da música: a Madonna. Sempre empoderada, polêmica e destemida, Madonna é considerada a Rainha do Pop. Iniciou na carreira musical nos anos 80, lançando seu primeiro disco. A partir daí, suas músicas e sua maneira diferente de se vestir, passaram a influenciar o público feminino da época. Sem falar em sua ideologia, totalmente diferente do que se pregava, pois até então, todas as mulheres precisavam “ter um marido” para serem felizes.

Tanto em suas músicas como pessoalmente, Madonna sempre falou abertamente sobre questões religiosas, políticas e principalmente sobre sexualidade. O caráter sexual sempre esteve presente no estilo da cantora, mas principalmente nos anos 90. Ela já foi “crucificada” durante um show e também saiu de um bolo de casamento vestida de noiva, em outro. Sem falar do famoso sutiã pontudo, que é a marca registrada dela, né? Ah, e alguém lembra da música “Like a Prayer”? Pois é, foi proibida pelo Vaticano.

Atualmente, Madonna está com 59 anos. Há pouco tempo, inclusive, publicou uma imagem em seu Instagram, onde aparece um dos seios. Infelizmente, foi muito criticada por isso, pois alegaram que ela está “velha demais” para mostrar o corpo.

É a sua maneira destemida de expressar a sua opinião, que nos encanta. Ela sabe exatamente como aproveitar a grande influência que possui e usá-la para lidar com questões importantes. Misoginia, sexismo e machismo são só algumas delas.

#Respeitaasmina #7: Cecília Meireles

Pra finalizar a nossa semana especial de mulheres incríveis, hoje vamos falar de mais uma brasileira fantástica: Cecília Meirelles.

Cecília Benevides de Carvalho Meireles nasceu no ano de 1901 na cidade do Rio de Janeiro. Órfã de pai e mãe, foi criada pela avó, e desde muito cedo, destacou-se pelo seu empenho escolar e interesse pelos livros. Foi poetisa, professora, jornalista e pintora. Também adorava música, chegou a estudar canto, violão e violino no Conservatório Nacional de Música. Por meio de uma criação solitária e muito introspectiva, Cecília viu nos estudos o seu porto seguro.

Iniciou sua carreira docente no ano de 1918 com 17 anos, quando foi nomeada professora adjunta na Escola Pública Deodoro. Preocupada com a escassez de livros didáticos, Cecília escreveu livros para escolas primárias, e publicou em 1924 o seu primeiro livro infantil com prosas chamado Criança, Meu Amor. Porém, sua estréia oficial literária aconteceu mesmo em 1919, através do livro de sonetos Espectros.

Uma das suas obras de maior destaque foi o livro Romanceiro da Inconfidência, de 1953. Nele, estão reunidos diversos poemas da autora que contam a história de Minas Gerais no inicio de sua colonização, até a Inconfidência Mineira, revolta ocorrida no fim do século 18.

“…Liberdade, essa palavra
que o sonho humano alimenta
que não há ninguém que explique
e ninguém que não entenda…”
(Romanceiro da Inconfidência)

Cecília Meireles

Cecília ficou conhecida por sempre defender uma escola com princípios de liberdade, inteligencia, de estímulo a observação e experimentação. Além disso, seus poemas possuem uma simplicidade e fluidez que dificilmente outros autores conhecidos (principalmente mulheres) haviam na época. Ao todo, foram mais de 60 obras publicadas, e prêmios e homenagens que seu nome carrega até hoje. Meireles morreu no mês de Novembro de 1964, vítima de um câncer.

Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,
Assim calmo, assim triste, assim magro,
Nem estes olhos tão vazios,
Nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
Tão paradas e frias e mortas;
Eu não tinha este coração
Que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
Tão simples, tão certa, tão fácil:
– Em que espelho ficou perdida
a minha face?

Cecília Meireles

_____________

Canção

No desequilíbrio dos mares,
as proas giram sozinhas…
Numa das naves que afundaram
é que certamente tu vinhas.

Eu te esperei todos os séculos
sem desespero e sem desgosto,
e morri de infinitas mortes
guardando sempre o mesmo rosto

Quando as ondas te carregaram
meu olhos, entre águas e areias,
cegaram como os das estátuas,
a tudo quanto existe alheias.

Minhas mãos pararam sobre o ar
e endureceram junto ao vento,
e perderam a cor que tinham
e a lembrança do movimento.

E o sorriso que eu te levava
desprendeu-se e caiu de mim:
e só talvez ele ainda viva
dentro destas águas sem fim.

Cecília Meireles

_____________

Lua adversa

Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua…
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua…)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua…
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu…

Cecília Meireles

Referências: 1 | 2 | 3 | 4

Mulher: de quem é o seu corpo?

Recentemente, a youtuber e jornalista Alexandra Gürgel do canal Alexandrismos, fez um vídeo ma-ra-vi-lho-so que fala sobre Machismo vs Pressão Estética. Se você não viu esse vídeo ainda, recomendo parar de ler esse texto agora mesmo e assistir tudo clicando aqui, e só então voltar aqui para continuar. 🙂

Alexandra e a querida Eva no vídeo “Machismo vs Pressão Estética”

Resolvi fazer um post sobre esse vídeo, pois ele me fez lembrar de diversas questões a cerca da mulher e do seu corpo que já pairavam minha cabeça antes, mas que eu ainda não havia conseguido formular em palavras. Sabe aqueles pensamentos que você sempre teve mas não sabe explicar? Pois é, a Alexandra fez esse trabalho (com muito estudo e pesquisa, diga-se por sinal).

Eu acho que estes temas são de IMENSA importância pois trazem uma questão do machismo que eu vejo muitas pessoas (mulheres principalmente), ignorando ou simplesmente não dando a devida importância, que é a pressão estética.

Como a Alê cita no vídeo, pressão estética nada mais é do que aquela pressão gigante que toda mulher (e homens também), sofrem antes mesmo de saberem ler ou escrever, a respeito dos seus corpos e “belezas”, para poderem se encaixar em um padrão determinado pela nossa sociedade. Um padrão de beleza, diga-se de passagem, baseado em décadas de machismo e em corpos com características que não correspondem a maioria da população brasileira. As mulheres é claro, sofrem muito mais do que os homens, pois nossa beleza é julgada SEMPRE em primeiro lugar, antes de nossas qualidades profissionais ou pessoais. Como ela diz no vídeo, um homem dificilmente vai ter sua capacidade profissional colocada em dúvida por ser careca por exemplo, já a mulher, dificilmente ganha a mesma notoriedade se não for magra e usar maquiagem e salto alto.

Easton Oliver

Mas então, eu me pergunto: o que nós mulheres podemos fazer para mudar esse quadro? O que devemos fazer para tomarmos posse dos nossos corpos e finalmente sermos respeitadas e notadas por quem verdadeiramente somos?

♀ SORORIDADE

Existe uma palavra mágica, que apesar de já ser bastante conhecida hoje, ainda não é usada com eficiência: sororidade.

Sororidade é a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum. (Fonte)

Omar Lopez

Em poucas palavras, eu diria que nada mais é do que a velha e boa união entre mulheres. Sabe aquele papo antigo de que mulheres só sabem brigar e fazer fofoca umas das outras? Esqueça isso. Primeiramente, para empoderarmos os nossos corpos, precisamos ter empatia umas com as outras. Isso não significa que devemos ser apáticas e aceitar tudo o que as outras mulheres fazem sem questionar, muito pelo contrário. Significa primeiramente, acolher e se colocar no lugar da outra, antes de julgá-la ou xingá-la. Algo que parece simples num primeiro momento, mas que hoje em dia na prática, com a internet, tem sido bem difícil. Pense e pesquise muito a respeito antes de criticar qualquer pessoa (principalmente se for outra mulher).

♀ RESPEITAR TODOS OS TIPOS DE CORPOS

Algo tão simples mas tão difícil até mesmo nos dias de hoje. Com esse mundo tão grande que temos e com tantas pessoas diferentes, ainda assim, as pessoas não entendem que ninguém é igual a ninguém. Existem pessoas baixas, altas, gordas, magras, largas, estreitas, brancas, pretas, ruivas, com sardas, com espinhas, com pintas, com celulite, sem celulite, de nariz grande, de coxa grossa, de nariz pequeno, com nariz torto, com dentes amarelos, brancos, olhos azuis, castanhos, etc, etc, etc… Ufa! Poderia ficar até amanhã aqui citando os diferentes corpos e suas respectivas características. Se somos tão variadas e tão cheias de pequenos detalhes, porque obrigamos todos a seguir um mesmo padrão de corpo?  Respeite os diversos corpos que existem no nosso mundo, principalmente aqueles que são tão diferentes do seu.

♀ QUESTIONAR PESSOAS MACHISTAS

Sabe aquele seu tio mais velho que em toda festinha de família sempre larga aquela piadinha/comentário sem graça: “lugar de mulher é na cozinha pilotando o fogão…”. Ou então: “feministas são mulheres frustradas e blá, blá, blá… (insira aqui qualquer adjetivo tosco sobre mulheres)”. Coloque-se na conversa e questione essas pessoas. Não deixe essa piada sem graça passar em branco. A idade de uma pessoa não é motivo para que ela destile o machismo por aí. Você não precisa brigar com ninguém e deixar o clima tenso, aliás, nem deve. Mas, tente enfrentar este tipo de pessoa com inteligencia e argumentos. Você vai ver que na maioria das vezes elas acabam sem respostas.

♀ VIVER A SUA VERDADE, INDEPENDENTE DOS OUTROS

Por último, mas não menos importante. Sabe aquele papo de que toda a mudança deve primeiramente partir de dentro de nós? Pois é, isso é a mais pura verdade. Não adianta a gente querer que o mundo mude, se nós mesmas não fazemos nada para que isso aconteça, e se a nossa postura interna é sempre de derrota ou anulação. Seja a mulher foda que você quer ver no mundo! Por mais que seja difícil e que o mundo inteiro lhe diga o contrário, tome posse do seu corpo e ocupe os lugares que você tem direito. Pode ser bem complicado em alguns momentos, mas, se você tiver pessoas boas do seu lado, e se munir de bons pensamentos, com certeza vai conseguir se impor quando precisar.

Brian Fraser

E aí, você tem mais alguma dica de uma ação que podemos tomar para ocuparmos os nossos corpos? Concorda com o vídeo da Alexandra? Então, escreve pra gente aqui nos comentários, e não esquece de compartilhar esse texto com todas as mulheres incríveis que você conhece! 🙂

5 Séries com mulheres incríveis para você assistir

Semanas atrás eu havia feito um post com 5 filmes com mulheres incríveis para você assistir. Se você não viu, confere que ficou show. 🙂 Continuando no embalo, hoje resolvi trazer 5 SÉRIES que eu amo e que possuem protagonismo feminino. É claro que muita coisa legal acabou ficando de fora. Mas, tentei incluir aquelas que eu já havia assistido, pra poder deixar minha opinião também. Então vamos lá!

▪ GILMORE GIRLS (2000 – 2007)

Sinopse: Lorelai Gilmore (Lauren Graham) tem uma relação tão amigável com sua filha, Rory (Alexis Bladel), que muitas vezes elas são confundidas como irmãs. Entre o relacionamento de Lorelai com seus pais, a nova escola preparatória de Rory, e os romances nas vidas das duas, há muito drama e muita diversão acontecendo. (Fonte)

Opinião: Essa é uma série clássica pra quem curte relações entre família, romance e um pouco de água com açúcar. Porém, não pense que as mulheres da família Gilmore são apáticas e sem graça, muito pelo contrário. Eu amo essa série porque ela é bem longa, mas de certo modo nunca perdeu o seu encanto. Mãe e filha possuem personalidades muito marcantes e não têm medo de seguir os seus instintos e vontades. Adoro demais!

~DICA EXTRA ~

*GILMORE GIRLS: UM ANO PARA RECORDAR (2016)

Uma diquinha extra e rápida no meio dessas 5 indicações. Como vocês podem ver, a série original acima acabou em 2007. Porém, em 2016 nossa querida e amada Netflix trouxe à tona um revival de 4 episódios chamado Gilmore Girls: um ano para recordar. Sério, que coisa boa de assistir! Se você é fã dessas duas assim como eu, deve ter amado essa volta. E o melhor: há especulações de que tenham mais episódios em breve, oh yes! 😀 Recomendo muito assistir pra quem já viu um pouco da série anterior, do contrário, pode se sentir um pouco perdida, mas mesmo assim, vale muito a pena.

Sinopse: Bem-vindo de volta a Stars Hollow. Nove anos depois, saiba o que está acontecendo na vida das mulheres Gilmore: a relação de Lorelai (Lauren Graham) com Luke (Scott Patterson) está em uma pausa desconcertante; a carreira jornalística de Rory (Alexis Bledel) parou antes mesmo de começar e o mundo de Emily (Kelly Bishop) virou de cabeça para baixo após a morte de Richard (Edward Herrmann). (Fonte)

▪ CARA GENTE BRANCA (2017 -)

Sinopse: As mais refinadas faculdades americanas podem representar uma enorme carga de estresss para seus alunos. Tensões sociais, a pressão acadêmica e o medo que vem com a chegada à idade adulta podem ser aterrorizantes. Pior que isso, só se você for um afro-americano, tendo que lidar com os alunos majoritariamente brancos e os estigmas associados a você pela sociedade. (Fonte)

Opinião: Essa série foi uma feliz e incrível descoberta para mim, e mais, um verdadeiro tapa na cara. Ela traz a realidade de jovens negros em uma universidade dos EUA. Se você acha que o racismo é algo que já está resolvido em nossa sociedade, você tem muito o que rever ainda. Essa série é super delicada e leve, ao mesmo tempo, e traz personagens negros (incluindo mulheres incríveis) nas suas diversas nuances, com personalidades diferentes, vontades, objetivos, dores e amores. Amei muito e gostaria de ver uma continuação, aguardando ansiosamente! 🙂

▪ 2 BROKE GIRLS (2011 – 2017)

Sinopse: Para pagar as contas, Max Black (Kat Dennings) trabalha em dois empregos, incluindo um como garçonete de um restaurante. Caroline Channing (Beth Behrs), por sua vez, é uma riquinha mimada que, após perder todo o seu dinheiro, precisa procurar um trabalho pela primeira vez na vida. Trabalhando e morando juntas, Max e Caroline irão começar a juntar dinheiro para investir em uma loja de cupcakes. (Fonte)

Opinião: Fiquei bastante triste quando descobri que 2 Broke Girls havia sido cancelada depois de 6 temporadas. 🙁 Mas, vida que segue. Ainda assim, é muito legal acompanhar a rotina dessas duas mulheres, com estilo de vida e de criação totalmente diferentes, mas ainda assim com os mesmos objetivos. Uma série bem leve e engraçada, mostrando que as mulheres podem sim fazer ótimas comédias e ainda assim ter personagens marcantes e divertidos.

▪ HOW TO GET AWAY WITH MURDER (2014 – )

Sinopse: Michaela, Wes, Laurel e Patrick são ambiciosos calouros de Direito da prestigiada academia East Coast Law School, onde apenas os melhores alunos podem participar de casos reais. Eles competem entre si para conseguir a atenção da carismática e sedutora Professora Annalise DeWitt (Viola Davis), na aula de Direito Criminal 1, também conhecida como “Como Se Livrar de Um Assassinato”. (Fonte)

Opinião: Confesso que eu parei de ver a série a um tempo atrás, não por ser ruim nem nada disso, mas simplesmente porque não estava na ‘vibe’. Mesmo assim, quis colocar HTGAWM nessa lista porque nossa querida personagem Annalise, interpretada pela linda Viola Davis, é simplesmente demais! Sério, que mulher minha gente! Tanto na ficção, quanto na vida real. Que história de vida, que atriz, que pessoa! hehehe sou muito fã dela e acho que ela merece estar nessa lista mais do que tudo. 😀

▪ RITA (2012 – )

Sinopse: Todos os alunos sonham em ter como professora a simpática Rita Madsen (Mille Dinesen), uma mulher de personalidade forte e com talento especial para sua profissão. No entanto, fora da sala de aula a vida dessa professora é um completo desastre. (Fonte)

Opinião: Um verdadeiro achado dentro da Netflix. Rita é a mais minha nova série querida do momento. Sabe aquelas histórias sem pretensão nenhuma, mas que te tocam de algum modo? Essa série se passa na Dinamarca e conta a história dessa professora chamada Rita, que não tem papas na língua. A protagonista faz o que tem vontade e não está nem aí com as consequências. Mas, no fundo, seu coração é enorme, e ela também aprende muita coisa durante sua caminhada. Recomendo muitíssimo!

Colab Criativa

Informação e inspiração nunca são demais. É sempre bom conhecer novos trabalhos, histórias e pensamentos. Descobrir opiniões novas e aprender sobre algo que não dominamos tanto quanto gostaríamos. Ainda mais quando nos referimos ao empreendedorismo: é preciso pesquisar e inovar a cada segundo.

Se você, assim como a gente, adora saber mais sobre empreendedorismo e criatividade, não pode deixar de conhecer a Colab Criativa. Um blog recheado de dicas, histórias e inspirações. Tudo sobre esse mundo tão vasto que é o empreendedorismo criativo.

O projeto surgiu em 2016, e foi criado pela Patiara Kucaniz, uma mulher que adora novos conhecimentos e gosta de explorar a vida ao máximo. Em 2017, ela se uniu à Ana Loqueta, que é administradora, empreendedora e  acredita muito no autoconhecimento. Juntas, deixam o blog ainda mais completo e tratam de assuntos como liderança, desenvolvimento humano, histórias inspiradoras de empreendedores e ainda divulgam eventos super interessantes para os criativos de plantão.

Pexels Photo

Não deixe de dar uma passada nesse blog sensacional e conhecer o trabalho incrível, feito por essas duas mulheres mega inspiradoras. Acesse também as redes sociais do projeto, abaixo. Tem muita coisa bacana por lá! 🙂

SITE | FACEBOOK | INSTAGRAM  ▪

Jornalismo, cultura e mulheres: Clarices e Marias

Nós adoramos trazer bons conteúdos para vocês, ainda mais se envolverem mulheres, cultura e arte. Hoje, gostaríamos de apresentar um site pra lá de sensacional. Estamos falando do Clarices e Marias, um blog voltado para mulheres que brilham em nossa sociedade.

O Clarices e Marias foi criado pela jornalista e produtora de conteúdo Michelle Lopes. A Michelle sempre curtiu trabalhar com jornalismo cultural, e foi graças a esse projeto que ela pode dar asas a essa paixão. O nome do blog é uma referência a música O Bêbado e o Equilibrista, eternizada pela voz da cantora Elis Regina.

Por lá, você poderão encontrar mulheres conhecidas e também desconhecidas, que fazem a diferença no nosso mundo. Tem dica de livro escrito por mulheres, poesias, textos profundos, reflexões, opinião, feminismo, dicas culturais, e muito mais. Vale muito a pena a leitura!

Para ajudar a compartilhar alguns de seus textos maravilhosos, separamos aqui alguns que achamos ótimos, vem conferir de perto:

 ▪ #LEIAMULHERES: 12 AUTORAS NEGRAS PARA LER EM 2018

 ▪ O QUE EU GOSTARIA QUE MINHA MELHOR AMIGA ESPERASSE DE UM RELACIONAMENTO 

▪ #DIÁRIODEUMCORPO: UM RELATO SOBRE TRANSTORNO ALIMENTAR, COMPULSÃO E ACEITAÇÃO

▪ “MULHER NO CINEMA”: LUÍSA PÉCORA E A CELEBRAÇÃO DO PAPEL DA MULHER NA SÉTIMA ARTE

▪ FEMINISMO E SORORIDADE: 10 PERFIS EMPODERADORES PARA SEGUIR NO INSTAGRAM

Bora conhecer e seguir o Clarices e Marias? 🙂

Site | Facebook | Instagram

5 Filmes com mulheres incríveis para você assistir

Quem nunca se deixou levar por um bom filme, que atire a primeira pedra. Cinema é tudo de bom não é? É maravilhoso poder conhecer histórias tão diversas e inspiradores, ainda mais se elas vêm recheadas de mulheres incríveis e inteligentes. Tá buscando alguns filmes com destaque feminino para se inspirar nesse novo ano? Então, chega mais porque tem umas lista com 5 deles aqui! 😀

▪ FRIDA (2003)

Sinopse: Frida Kahlo (Salma Hayek) foi um dos principais nomes da história artística do México. Conceituada e aclamada como pintora, ele teve um agitado casamento aberto com Diego Rivera (Alfred Molina), seu companheiro também nas artes, e ainda um controverso caso com o político Leon Trostky (Geoffrey Rush), além de várias outras mulheres. (Fonte)

Opinião: Esse é um daqueles filmes que vão te fazer refletir sobre a vida, antes de tudo. Pra quem gosta de arte é mais que um prato cheio, é um banquete enorme. 😀 A história da artista Frida Kahlo é simplesmente sensacional, cheia de acontecimentos catastróficos, é verdade, mas a maneira como essa mulher incrível conduz a vida é surpreendente.

▪ MULHER MARAVILHA (2017)

Sinopse: Treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível, Diana Prince (Gal Gadot) nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Trevor (Chris Pine) se acidenta e cai numa praia do local, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar seu lar certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra. (Fonte)

Opinião: Essa é a minha indicação para as mulheres fãs de HQs e heroínas. Todo mundo conhece a história da Mulher Maravilha não é mesmo? Mas nesse novo filme de 2017, é possível ver uma nova mulher maravilha modernizada, e é claro, muito empoderada. A atriz Gal Gadot interpretou uma super heroína, e fez vários fãs babarem por aí com a sua atuação. Vale muito a pena assistir!

▪ ESTRELAS ALÉM DO TEMPO (2017)

Sinopse: 1961. Em plena Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética disputam a supremacia na corrida espacial ao mesmo tempo em que a sociedade norte-americana lida com uma profunda cisão racial, entre brancos e negros. Tal situação é refletida também na NASA, onde um grupo de funcionárias negras é obrigada a trabalhar a parte. É lá que estão Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe), grandes amigas que, além de provar sua competência dia após dia, precisam lidar com o preconceito arraigado para que consigam ascender na hierarquia da NASA. (Fonte)

Opinião: Esse é o único filme aqui dessa lista de indicações que eu ainda não assisti, portanto, não posso opinar sobre. Mesmo assim, deixo aqui com vocês um vídeo produzido pela Nátaly Neri no seu canal do Youtube, chamado Afros e Afins, clique aqui para ver. A Nátaly fez uma resenha super legal sobre o filme, principalmente falando sobre o protagonismo das mulheres negras, e como foi o trabalho delas na época.

▪ THE RUNAWAYS – GAROTAS DO ROCK (2010)

Sinopse: Los Angeles, 1975. Joan Jett (Kristen Stewart) tinha o sonho de montar uma banda de rock, formada apenas por mulheres. Ela encontra apoio em Cherrie Currie (Dakota Fanning), que integra a banda, e no empresário Kim Fowley (Michael Shannon). Com ele as integrantes da banda The Runaways levam uma vida desajustada e, apesar de apresentarem um som cru, alcançam o sucesso graças ao talento de Joan e o visual sensual de Cherie. (Fonte)

Opinião: Esse é um filme pras mulheres fãs de rock n’ roll! O filme é baseado na história real da banda The Runaways, formada em 1975, na Califórnia, nos EUA. No longa, é possível acompanhar de perto a rotina de algumas das principais estrelas de rock da década de setenta. Um grande banda de rock composta apenas por mulheres, cheias de atitude e personalidade forte.

▪ O SORRISO DE MONA LISA (2004)

Sinopse: Katharine Watson (Julia Roberts) é uma recém-graduada professora que consegue emprego no conceituado colégio Wellesley, para lecionar aulas de História da Arte. Incomodada com o conservadorismo da sociedade e do próprio colégio em que trabalha, Katharine decide lutar contra estas normas e acaba inspirando suas alunas a enfrentarem os desafios da vida. (Fonte)

Opinião: O Sorriso de Mona Lisa é o filme mais querido do meu coração. ❣ Não só porque a atriz Julia Roberts é sensacional, mas também porque esse é uma história que traz uma protagonista feminina ansiosa por quebrar barreiras e mostrar algo a mais as suas alunas. E devo logo lhe adiantar, que o final surpreende. Mais do que recomendado!

?

Deixe a Rupi Kaur fazer você sentir

A melhor definição que encontrei para o livro “Outros jeitos de usar a boca” (em inglês Milk and Honey), foi: um livro que se resume a sentimentos.

Rupi Kaur, autora do livro, é indiana e vive no Canadá desde a infância, com seus pais e mais quatro irmãos. Além de escritora, ela também é artista visual de formação, e todas as ilustrações do livro foram feitas por ela. Empoderamento é o tema que mais gosta de abordar e se inspira em histórias e experiências das pessoas para escrever.

Linda não? 🙂

Kaur ficou conhecida antes da publicação de seu famoso livro, utilizando o Instagram e o Tumblr para divulgar os seus trabalhos. Em 2015 fez uma série fotográfica sobre menstruação, com o intuito de quebrar o tabu que existe sobre o tema. Por duas vezes teve uma foto da série excluída do Instagram. Foi no Facebook, com a mesma foto e a seguinte declaração:

“Obrigada Instagram por fornecer a resposta exata que meu trabalho foi criado para criticar. Vocês deletaram a minha foto duas vezes, afirmando que ia contra as diretrizes da comunidade. Eu não vou pedir desculpas por não alimentar o ego e orgulho de uma sociedade misógina que terá o meu corpo em uma roupa íntima, mas não está de acordo com um pequeno vazamento quando as suas páginas estão cheias de incontáveis fotos/contas onde mulheres (muitas menores de idade) são objetificadas, pornificadas e tratadas como menos que humanas.”.

Posteriormente o Instagram se desculpou, restaurando sua foto e alegando ter sido deletada por engano.

Tem como marca a maneira que escreve seus textos, pois não são utilizadas letras maiúsculas nem qualquer tipo de pontuação, exceto pontos finais, Rupi quis utilizar características de seu idioma nativo que é escrito desta maneira. Em outubro deste ano lançou seu segundo livro “The sun and her flowers”, que ainda não foi traduzido para português.

“Outros jeitos de usar a boca” foi o primeiro livro da escritora, publicado pela primeira vez em 2014, quando tinha apenas 21 anos. Já foram vendidos mais de meio milhão de exemplares pelo mundo todo. O livro é dividido em quatro partes: a dor, o amor, a ruptura e a cura.

Uma das coisas que mais impressiona é a quantidade de emoção que uma pessoa tão jovem foi capaz de colocar nessas páginas, falando sobre amor, feminilidade, abuso, perda e trauma. Alguns dos poemas que li foram capazes de me fazer refletir por bons minutos e o mais incrível é que isso acontecia com os menores textos. Foi lendo este livro que tive mais certeza do poder que as palavras têm e do impacto que elas podem causar na vida das pessoas. É um livro com trechos muito fortes, provavelmente por serem muito reais. É rápido de ler, e capaz de fazer com que o leitor vá da raiva ao amor e da tristeza ao conforto em pouquíssimo tempo.

Foi difícil não transcrever o livro todo, mas deixei aqui alguns dos meus poemas preferidos do livro. Espero que gostem tanto quanto eu. Depois contem nos comentários o que acharam!

▪ A DOR ▪

“você tem dores

morando em lugares

em que dores não deveriam morar.”

“você me diz para ficar quieta porque

minhas opiniões me deixam menos bonita

mas não fui feita com um incêndio na barriga

para que pudessem me apagar

não fui feita com leveza na língua

para que fosse fácil de engolir

fui feita pesada

metade lâmina metade seda

difícil de esquecer e não tão fácil

de entender.” 

 

▪  O AMOR ▪

“não quero ter você

para preencher minhas partes vazias

quero ser plena sozinha

quero ser tão completa

que poderia iluminar a cidade

e só aí

quero ter você

porque nós dois juntos

botamos fogo em tudo.”

“você me tocou

sem precisar

me tocar.” 

 

▪  A RUPTURA ▪

“eu não fui embora porque

eu deixei de te amar

eu fui embora porque quanto mais

eu ficava menos

eu me amava.”

“eu tive que ir embora

eu estava cansada

de deixar que você

me fizesse me sentir

qualquer coisa

menos que inteira.”

 

▪  A CURA ▪

“a solidão é um sinal de que você está precisando desesperadamente de si mesma.”

“quero pedir desculpa a todas as mulheres

que descrevi como bonitas

antes de dizer inteligentes ou corajosas

fico triste por ter falado como se

algo tão simples como aquilo que nascer com você

fosse seu maior orgulho quando seu

espírito já despedaçou montanhas

de agora em diante vou dizer coisas como

você é forte ou você é incrível

não porque eu não te ache bonita

mas porque você é muito mais do que isso.”

Série de fotos mostra a beleza do cabelo afro

O casal de fotógrafos Regis e Kahran, de Atlanta, EUA, criaram uma série de fotos linda chamada AfroArt. Os dois são especializados em fotografia infantil e lifestyle, e estão a frente da Creative Soul, empresa criada a mais de sete anos, que tem como principal objetivo divulgar toda essa paixão por uma fotografia mais autoral e bela.

Impulsionados pela falta de representatividade das pessoas com cabelo afro nas mídias, os dois decidiram viajar diversos estados fotografando crianças em composições pra lá de estilosas. Eles afirmam:

“Infelizmente, a falta de diversidade muitas vezes  cria estereótipos de que estas crianças não são “suficientemente boas” e muitas vezes as obriga a terem baixa autoestima. Nós tentamos combater esses estereótipos em nossa fotografia mostrando imagens de pequenos que amam a pele em que estão, seus próprios cachos naturais e sua cultura. Histórias como estas são importantes para mostrar como podemos destruir os padrões atuais de beleza”.

Além da própria série, eles também criaram um calendário com as fotos, e que pode ser adquirido no próprio site da empresa. Veja como ficaram algumas das fotos abaixo! ?

Siga o casal nas redes sociais:

Site | Facebook | Instagram | Pinterest | Twitter

Conheça o projeto “Princesas de capa, Heróis de avental”.

Um projeto inovador, em forma de crítica às famosas “escolas de princesas”. Esse projeto é voltado para crianças e adolescentes entre 6 e 14 anos e seu principal objetivo é estimular o pensamento crítico, além de enfrentar o machismo e as desigualdades.

Caroline Hernandez

Nathália Borges e Caroline Arcari, que são coordenadoras do projeto, acreditam que ele ajudará os jovens a desenvolverem pensamentos críticos e fazerem escolhas conscientes em seus futuros. Acreditando que cada um pode ser o que quiser, independente de padrões impostos pela sociedade.

Tanto meninos quanto meninas são bem vindos a participar do projeto, que conta com atividades além dos padrões que já estamos acostumados, como por exemplo, uma princesa que sonha em casar com um príncipe, ou então um super-herói cheio de poderes.

Daniel Cheung

Gostou da ideia? Então acesse o curso online e inscreva-se AQUI.

The Global Goals: Uma dose de esperança de um mundo melhor!

No último final de semana em uma conversa com um grupo de amigas, uma delas falou sobre The Global Goals. Projeto interessantíssimo, mas que nenhuma das 15 pessoas presentes na sala havia ouvido sobre.

Meu objetivo não é criticar a mídia sobre divulgar apenas o que vende ou que é de interesse de uma minoria da população, mas pasmem, este projeto foi posto em prática em 25 de setembro de 2015! Sim, mais de dois anos e sequer ouvimos falar o nome do projeto!

Pois bem, decidi fazer um breve resumo desta atitude que – na minha humilde opinião – é maravilhoso! E trás esperança nesses tempos de turbulência que temos passado.

OS OBJETIVOS MUNDIAIS!

The Global Goals é um projeto desenvolvido pela ONU, onde são estabelecidos 17 objetivos para atingir 3 macro objetivos, que são: erradicar a pobreza extrema, combater a desigualdade e a injustiça e corrigir as mudanças climáticas. Tudo isto para construirmos um mundo melhor! Desde 25 de setembro de 2015, 193 países se comprometeram a cumprir os objetivos estabelecidos e, de acordo com a realidade de cada país, foram estabelecidas metas para cada um dos objetivos. Todos os objetivos se conectam de alguma maneira, a melhoria de um é o pontapé para o início do progresso de outro.

Eu poderia passar horas aqui escrevendo sobre cada um dos objetivos, mas me estenderia demais e alguns desistiriam de ler na metade. Clica aqui para saber todos os detalhes e informações importantes sobre o assunto.

Uma coisa que é muito legal no projeto (mais uma coisa, porque este projeto é demais!), é que existem os goalkeepers. Os goalkeepers são pessoas influentes que se comprometem a monitorar e cobrar os governos sobre seu desempenho em relação ao The Global Goals como, por exemplo, cortes de verbas em setores vitais para o sucesso dos objetivos. Entre os goalkeeper temos nomes como Barack Obama, Bill Gates, Malala Yousafzai, Will.I.Am, entre outros.

Sabemos que melhorar 100% todos os pontos destacados no projeto é um sonho que somente será realizado após muitos anos de trabalho e dedicação mundial, porém precisamos começar de alguma maneira, certo? Então, a ideia do projeto é que em 15 anos os países inscritos comprovem melhorias nos indicadores de cada objetivo.

Falando a nível Brasil, nós sabemos que, infelizmente, a administração de nosso país está longe de ser das melhores (de novo, meu objetivo não é criticar nosso governo). Com base nisso, enquanto cidadãos, precisamos cobrar nossos governantes, saber se os investimentos estão sendo feitos de acordo com as metas para realização dos 17 objetivos. Pode parecer clichê, mas nós precisamos nos empenhar, entrar em ação e, principalmente, dar o exemplo para contribuir para tantas melhorias, porque, embora seja de responsabilidade do governo gerir o projeto, o povo também tem suas responsabilidades, que são muito grandes. Então vamos dar o exemplo, divulgar este lindo projeto e, o ponto que penso ser a chave para tudo, ter empatia!

Obs: Lauren, obrigada por ter me apresentado o The Global Goals!

Música empoderada: Karol Conka

Se você mora nesse mundo, certamente já ouviu o nome dessa mulher em algum lugar. Ou talvez não saiba quem ela e, mas possivelmente ouviu a sua música em alguma rádio. Karoline dos Santos Oliveira, mais conhecida como Karol Conka, é a atual mulher empoderada da música brasileira que você respeita.

Com suas madeixas rosas, seja de cabelo curto, num black, ou de tranças, a curitibana de  apenas 30 anos, (sim, mulheres de 30 vocês estão na flor da idade), TOMBA MUITO por onde passa.

Eu vou ser sincera pra vocês e dizer que ouço pouca música brasileira. Eu sei, isso é um erro. Com tantos talentos incríveis por ai, as vezes me sinto culpada por não estar tão atenta ao que ocorre na música no nosso país. Mas, sabe, quando vi essa mulher cheia de atitude, negra, de cabelo curto, falando de sexo oral na mulher sem tabu por aí, cara… fui OBRIGADA a parar e escutar. E poxa, devo dizer, essa ela me conquistou demais. ❤

Seja pelos seus clipes lacradores ou pela sua coragem de expor a sua arte, suas músicas exaltam a força da mulher na sociedade.

Sua história de vida e nas artes é a mesma que muitas de nós. De origem humilde, sempre teve afinidade com a música desde jovem, porém, em um meio de poucas oportunidades. No inicio da sua vida adulta, ainda ficou grávida do seu primeiro filho, Jorge, o que foi uma grande surpresa na sua vida. Mãe, mulher, negra, feminista, Karol mesmo assim fez questão de continuar investindo nos seus talentos, e não deu outra, virou esse grande sucesso que é hoje!

Bora ouvir?

https://www.youtube.com/watch?v=9bY4qEFgOrE

A letra dessa última é demais, da uma olhada:

Você me subestima, eu continuo nem aí
Vivo na brisa e o que me incomoda deixa de existir
Se apavora ao ver que cada vez mais posso progredir
Passa, ignora e percebe que não tem pra onde fugir

Vejo você cair, querendo admitir
Que o meu processo apesar de ser lento pode fluir
Herdeira dos meus ancestrais, cultivando a paz, que o verde me traz
Espalho minha mensagem e nada mais (…)

Você demorou muito tempo pra perceber
Que ficar me julgando só te levou a perder
Nessa vida não basta querer ser
Tem que tá na veia, saber fazer

Mas você se distrai, confunde o meu valor
Sai falando demais, fica puto enquanto eu vou
Pronde você não vai, você não vai
Pronde você não vai, você não vai

❤❤❤

Curtiu também? Então siga a cantora nas redes sociais: Facebook | Instagram | Twitter 

EMBRACE: Um documentário que toda mulher precisa assistir

A maioria das mulheres sofrem com a pressão e conflito diário de aceitar seu corpo do jeitinho que ele é. Ainda mais durante a maternidade. É normal (aceite isso!) que surjam estrias, celulites, ganho de peso, flacidez… e nem por isso você é, ou será, menos bonita!

A australiana Taryn Brumfitt prova isso em seu documentário, intitulado “Embrace – One woman’s journey to inspire everyBODY”. Tudo começou quando ela publicou no Facebook uma foto sua antes/depois da gravidez de um dos seus três filhos. A intenção dela era fazer com que muitas mulheres aprendessem a aceitar seus corpos, sem medo de mostrá-los. A imagem viralizou e foi muito compartilhada, o que deu a Taryn a ideia de criar um documentário.

Após descobrir que 91% das mulheres não gostam de seus corpos, ela viajou pelo mundo, conhecendo mulheres de diversos biotipos, culturas, estilos. Com certeza, você precisa acrescentar esse documentário em sua lista de favoritos da Netflix para conhecer as mulheres fantásticas que existem por aí.

Uma aula de autoestima, que nos faz refletir sobre nossa vida e nosso corpo. E, claro, tendo sempre em mente que a saúde é muito mais importante do que a aparência.

Bora preparar a pipoca e assistir?

A felicidade que está dentro de nós

Todas nós queremos ser felizes, isso é fato. O problema é quando depositamos toda essa alegria em coisas, pessoas ou situações que estão além de nós mesmas. Pensamentos como “eu só serei realmente feliz quando conseguir aquela promoção”, ou “só serei uma pessoa feliz de verdade quando emagrecer 10 quilos”, “só serei plena e linda quando achar um emprego novo”, “começarei a cuidar mais de mim mesma depois que eu encontrar um namorado”, etc, etc, etc. Certamente, muitas de vocês já passaram por isso. A verdade é que essa felicidade em longo prazo nunca chega a existir de verdade.

Jiří Wagner

Aprendemos durante toda a nossa vida que finais felizes existem, os filmes nos mostram muito bem isso. A mocinha que sofreu durante toda a sua vida e no fim encontra no seu melhor amigo, o seu príncipe encantado. A professora que passa o diabo nas mãos dos alunos, mas no fim, aleluia! Consegue colocá-los nos eixos, e todo mundo se abraça e comemora chorando. O garoto que sofreu durante toda a sua a infância, mas no fim, cresce alguém super inteligente e determinado, e finalmente pode mostrar a todos que lhe fizeram sofrer o quanto venceu na vida. Que alegria seria se toda a nossa vida se resumisse apenas a uma história de ficção. Só que não. 

Mas, e depois? O que acontece após o fim do filme com aqueles personagens, quando o letreiro sobe, a televisão se desliga e nós (pobres mortais) voltamos para as nossas vidas comuns e rotineiras? A verdade é que a felicidade não é um sentimento final e permanente, daqueles que encontramos após duas horas de filme. Mas, sim, um estado momentâneo, e que precisa, a todo momento, ser estimulado por nós mesmas.

Allef Vinicius

O meu conselho, após todas essas palavras aparentemente desanimadoras é: não deposite toda a sua felicidade em situações, coisas ou pessoas que estão além de você mesma. Isso pode parecer bem clichê num primeiro momento, tipo papo de auto-ajuda. Mas, só quem já passou pela situação de ter todas as suas expectativas jogadas por água abaixo, sabe o quanto a base da nossa felicidade não deve, nunca, estar apoiada em nada, nem ninguém. Aprenda a se amar, e a nutrir suas próprias expectativas, e acima de tudo, a ser a única responsável pela sua felicidade. Você verá que tudo vai ficar mais leve!

Haley Phelps

Tudo Orna: Conheça as irmãs empreendedoras que conquistaram o Brasil

Difícil de acreditar, mas ainda há muitas pessoas por aí que não levam a sério profissões criadas na “era digital”. Ter um blog, por exemplo, pra muita gente é coisa de quem ainda não sabe o que quer da vida. Quer a prova de que essas pessoas estão muito enganadas?

Conheça Bárbara, Débora e Júlia Alcantara. Elas são três irmãs de Curitiba que, em 2010, criaram um blog chamado Tudo Orna. Nele, publicam conteúdos sobre moda, decoração e beleza. Tudo com muito capricho e bom gosto.

Acervo Pessoal

Além de influenciar e inspirar milhares de mulheres pelo Brasil afora, elas também são proprietárias da Orna Concept (sua marca própria de bolsas), Orna Makeup (sua marca de maquiagens) e também da Orna Café (sua própria cafeteria, em Curitiba).

Acervo Pessoal

Isso nos prova que, se houver dedicação e trabalho árduo, cada projeto e cada blog pode vir a ter sucesso. Você precisa acreditar no seu projeto, traçar metas e seguir em frente. Ah, e se estiver precisando de uma inspiraçãozinha extra, conheça mais alguns projetos das Irmãs Alcantara, abaixo. Vale a pena!

Blog Tudo Orna | Instagram | Júlia Alcantara | Bárbara Alcantara | Débora Alcantara | Apartamento 33