Os graffitis empoderados de Panmela Castro

Panmela Castro é uma artista e ativista feminista carioca, que utiliza da sua arte para comunicar questões ligadas ao feminismo pelo mundo. Com apenas 32 anos, ela possui um trabalho que busca provocar e polemizar as relações do corpo feminino, sexualidade da mulher, subjetividades, entre outros diversos assuntos. Ela é formada em Pintura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e, é Mestre em Artes pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) na linha de processos artísticos contemporâneos.

No graffiti em especial, Panmela dá um show! Atuando como professora há mais de 14 anos, ela ministra workshops e palestras de graffiti e igualdade de gênero para a Secretaria de Segurança Pública, Petrobrás e Academia Brasileira de Letras. Ela também é idealizadora, fundadora e presidente da Rede NAMI, uma organização de gênero que usa as artes urbanas para promover os direitos das mulheres. Bora conferir o que ela tem feito por aí?

Edmonton, USA
Madison, USA
Miami, USA
Paris, França
Rio de Janeiro, Brasil
Santiago, Chile
Jerusalém, Israel
Cochabamba, Bolivia
São Paulo, Brasil
Linãres, Espanha

Que tal conhecer os outros trabalhos da Panmela e seguí-la nas redes sociais? ?

Site/Portfólio | Facebook | Instagram | Intagram Portfólio | Rede NAMI

P.s: todas as informações e imagens foram retiradas diretamente do site e das redes sociais da artista.

Seja uma artista atualizada! A importância da sua marca

Štefan Štefančík

Engana-se quem pensa que todo artista é um ser sem rumo, que vive vendendo sua arte na praia e mora como hippie pelas ruas das cidades. É claro que se ele quiser viver assim, ele também tem esse direito, assim como qualquer pessoa no mundo. Porém, é bem comum associarmos a figura do artista com esteriótipos prontos e cheios de clichês como este, veja mais alguns exemplos aqui.

Nos últimos tempos, o mundo vem vivendo mudanças significativas nos seus mais diversos âmbitos. A internet é a mais nova poderosa ferramenta na disseminação de novos conteúdos. Consequentemente, a maneira como vemos e encaramos a arte também. Agora, com apenas um clique, podemos ter novos conteúdos visuais a nosso dispor, além do que, divulgar um novo trabalho, ficou muito mais fácil.

Kai Oberhäuser

Para o artista visual, essa nova realidade inclui também uma série de mudanças. Estar em sintonia com essas novas ferramentas digitais, inclui atualização constante e trabalho, muito trabalho. É claro que sempre há a opção de você permanecer somente no offline, mas, cá entre nós, sabemos que essa realidade é cada vez mais escassa.

Ser uma pessoa que produz trabalhos artísticos e tem a sua própria marca, requer acima de tudo seriedade e dedicação naquilo que você faz. Saber divulgar e apresentar isso ao mundo, requer um mínimo conhecimento sobre marketing e empreendedorismo criativo/digital. Se você deseja ter retorno financeiro razoável e impacto social e cultural com a sua arte, precisa realmente levar a sério o que você faz, e acima de tudo, não ter medo de mostrar isso ao mundo. Seja um artista atualizado e esteja consciente sobre a importância de sua marca no mundo!

Afinal, quem é? E o que faz um artista visual?

Muitas pessoas hoje em dia ainda me fazem essa pergunta: afinal, o que faz um artista visual? Resumidamente, um artista visual é a pessoa que produz e desenvolve trabalhos artísticos nos mais diversos meios: fotografia, pintura, desenho, escultura, instalação, vídeo, entre outros formatos. No meio acadêmico o curso de Artes Visuais desenvolve “estudos teórico-práticos que inter-relacionam processos de criação nas diferentes linguagens e mídias artísticas, como desenho, pintura, gravura, escultura, imagem digital, videoarte e fotografia, além da investigação da arte na contemporaneidade”. (fonte).

Além dos estudos práticos, no curso de graduação os alunos também aprendem noções de história da arte, teoria e crítica, debates sobre arte contemporânea, museologia, estudos sobre a arte na sociedade, entre outras aprendizagens. Há também a modalidade de licenciatura do curso, onde basicamente existem as mesmas diretrizes, porém, este aluno ainda se forma capacitado a dar aulas no ensino formal básico. Ou seja, o bom e velho professor de artes. Salve, salve!

Foto por Igor Miske

É claro que a graduação é algo totalmente opcional em se tratando do artista visual, a não ser na modalidade de licenciatura. Como não existe nenhum órgão regulamentador que conduz a área, qualquer pessoa que queira tornar-se um artista poderá fazer, afinal, pra fazer arte qualquer um é livre né! Aliás, existe bastante debate em torno da figura do artista visual e das artes como um todo. Como é uma área muito ampla e controversa, é difícil catalogar tudo e designar significados. Assim como a área das ciências, da sociologia e da história, tratam-se de áreas de estudo muito abrangentes e que tratam-se de bens da humanidade. 

Eu gosto de indicar a graduação em artes visuais para aquelas pessoas que tem uma forte inclinação para o mundo artístico mas não sabem exatamente que caminho tomar ainda. Minha trajetória acadêmica já teve muitos altos e baixos (outra hora faço um post somente sobre isso), mas de certo modo eu sempre gostei de arte e sempre tive curiosidade de aprender um pouco mais sobre essa área. Quanto as questões mais formais de emprego e renda, como disse anteriormente, tudo é muito instável e incerto em se tratando de arte. É claro que sempre tem a opção de você fazer muitas exposições e ganhar dinheiro como artista mesmo, desenvolvendo uma linha de trabalhos que pode fazer muito sucesso. Mas, essa é uma equação bastante complicada e que requer muito empenho. Eu particularmente sempre tive que trabalhar pra pagar a faculdade e estudar a noite, o que torna tudo um pouco difícil, ter 100% do meu tempo para me dedicar a pesquisa e produção de obras de arte. Mesmo assim, há sempre a opção de você trabalhar dentro dos nichos também, como por exemplo eu que acabei migrando para a fotografia.

Foto por Khara Woods

Para finalizar o texto, devo dizer que sou suspeita pra falar sobre as artes visuais. Eu tenho uma paixão enorme por ela e acho que todos que estão principalmente na faculdade também tem. Devo dizer que é preciso coragem pra encarar um curso como esse e principalmente desenvolver obras de arte em uma época onde todo mundo só pensa no retorno financeiro. É claro que eu também me preocupo com isso e preciso de dinheiro, todos precisamos! Mas, escolher seguir uma carreira simplesmente por amor é uma sensação boa demais e que necessita culhões, hehehe. Sou muito feliz de poder fazer parte desse grupo, o resto a gente corre atrás. 🙂