Pagu – Mulheres Criativas

Pagu – Mulheres Criativas

Conheça mulheres inspiradoras e criativas 💜
Seja nossa parceira(o)!
O que fazemos?

O que a sua empresa faz, que nenhuma outra faz?

Já sei: A sua empresa é a que entrega produtos com a melhor qualidade, né? Mas sabia que seu concorrente fala exatamente a mesma coisa?

Pois é, falar que a sua empresa é a melhor, que seu produto tem qualidade, que você vende os melhores produtos, não é garantia de nada. Qualquer um pode falar isso. Logo, infelizmente, a sua empresa não está fazendo NADA de diferente que as outras não possam fazer.

Soragrit Wongsa

Se você quer ter um diferencial digno de competitividade nesse mercado, comece a pensar: O que a sua empresa faz, que nenhuma outra faz? Se a resposta for "nada", chegou a hora de repensar. Abaixo, listamos algumas dicas/sugestões que podem te ajudar a usar a criatividade:

  • ATENDIMENTO: O seu atendimento não pode ser bom, tem que ser ÓTIMO. Atendimento ruim, faz as pessoas fugirem. Eu, por exemplo, se sou mal atendida em algum lugar, vou embora e nunca mais volto. O que você pode fazer de diferente no primeiro contato com o cliente, que o encantará? Que tal ao invés de falar que o seu produto tem qualidade, você mostrar isso ao seu cliente? Mostre fotos/vídeos sobre como o seu produto é fabricado. Por exemplo, se você trabalha com peças de roupas tingidas a mão, com elementos naturais, por que você não mostra vídeos para o seu cliente? Ou melhor, porque você não leva o seu cliente para um tour em seu atelier, para que ele possa entender (ou até participar) do processo de fabricação de alguma peça?

Annie Spratt

  • REDES SOCIAIS: Os websites estão ficando pra trás. Hoje em dia, o cliente analisa direto o Facebook e Instagram da empresa, antes de levar uma compra adiante. É indispensável que as redes sociais da sua empresa sejam atualizadas quase que diariamente. E sabe o que os clientes querem? CONTEÚDO. Eles querem aprender, ver como é, como funciona. Não apenas imagens bonitas que não dizem nada. Use o Stories do Instagram para publicar vídeos e fotos reais sobre a fabricação dos seus produtos. Mostre que você é "gente como a gente" e que seus produtos/serviços são feitos por pessoas reais!
  • ENTREGA: Que tal agradar o cliente com um brinde? Mas por favor, esqueça canetas e chaveiros! É hora de pensar fora da caixa e ser diferente. Voltando agora para a hipotética empresa que faz roupas tingidas a mão com elementos naturais: nada a ver presentear o cliente com uma caneta, né? Mas, presentear o cliente com um lápis de madeira de reflorestamento, que tenha na parte de baixo sementes de alguma árvore e, se o cliente fincar o lápis na terra, irá nascer uma plantinha? Muito melhor né? (E aposto que o concorrente não faz isso!) Já imaginou também como a empresa define seu diferencial? "A cada venda, nós ajudamos a deixar o planeta mais verde. Presenteamos nossos clientes com sementes de Ipê Roxo, pois queremos deixar um mundo melhor para as próximas gerações". E o concorrente? Ainda presenteando o cliente com aquela caneta que sempre falha e a tinta termina logo.

Tom Ezzatkhah

Seja diferente, original! A sua empresa precisa disso, os clientes precisam disso, o MUNDO precisa disso! Que tal colocar a caixola para funcionar? 🙂 Ah, e conte pra gente: O que a sua empresa faz que nenhuma outra faz? Comente! Queremos saber! 🙂

 

4 dicas pra deixar o feed do seu Instagram mais bonito
Por que o setor criativo vem crescendo cada vez mais
Afinal, o que é empreendedorismo criativo?

Série de fotos mostra a beleza do cabelo afro

O casal de fotógrafos Regis e Kahran, de Atlanta, EUA, criaram uma série de fotos linda chamada AfroArt. Os dois são especializados em fotografia infantil e lifestyle, e estão a frente da Creative Soul, empresa criada a mais de sete anos, que tem como principal objetivo divulgar toda essa paixão por uma fotografia mais autoral e bela.

Impulsionados pela falta de representatividade das pessoas com cabelo afro nas mídias, os dois decidiram viajar diversos estados fotografando crianças em composições pra lá de estilosas. Eles afirmam:

"Infelizmente, a falta de diversidade muitas vezes  cria estereótipos de que estas crianças não são "suficientemente boas" e muitas vezes as obriga a terem baixa autoestima. Nós tentamos combater esses estereótipos em nossa fotografia mostrando imagens de pequenos que amam a pele em que estão, seus próprios cachos naturais e sua cultura. Histórias como estas são importantes para mostrar como podemos destruir os padrões atuais de beleza".

Além da própria série, eles também criaram um calendário com as fotos, e que pode ser adquirido no próprio site da empresa. Veja como ficaram algumas das fotos abaixo! 😍

Siga o casal nas redes sociais:

Site | Facebook | Instagram | Pinterest | Twitter

O Círculo das Afluências, por Priscilla Oliveira de Souza
The Global Goals: Uma dose de esperança de um mundo melhor!
18 tatuagens minimalistas pra você fazer já!

Quando parei de tomar hormônio

Dois mil e dezessete foi um ano de muitas mudanças na minha vida, e uma delas foi o fato de ter parado de tomar hormônios para não engravidar. Em abril deste ano, decidi levar uma vida mais saudável, com o intuito de viver mais e melhor. Para isso, comecei a fazer exercícios físicos e melhorar minha alimentação.

Eu sempre fui daquelas pessoas que quando sentia uma leve pontada na cabeça, ou uma dor de estômago, já ia logo tomando diversos remédios para aliviar. Foi a partir dessa nova consciência, de uma vida mais leve e saudável, que comecei a me dar conta de nada adianta eu deixar de ser sedentária e começar a me alimentar melhor, se eu continuar ingerindo milhares de medicamentos toda vez que sentir alguma dor. Não estou dizendo que não devemos nos medicar, mas sim, que em determinadas situações, podemos ter outras opções além dos remédios. Tenho algumas doenças crônicas e os medicamentos para elas não posso abrir mão, mas é preciso sabedoria na hora de ingeri-los.

Freestocks

Foi por essas e outras, que decidi parar de tomar remédios por impulso, e então me dei conta que já tomava a pílula anticoncepcional havia nove anos! Fui para internet pesquisar sobre os efeitos desse tipo de remédio no organismo e fiquei preocupada, mas não foi o bastante para eu desistir de tomar. Precisei pesquisar relatos de mulheres que pararam, para então me convencer que eu realmente poderia utilizar outros meios para não engravidar, e notei como elas tinham somente elogios a respeito dessa atitude. Mais do que depressa, comecei a perceber como o meu corpo estava gritando por socorro, e eu não havia escutado. 

O começo não foi nada fácil. Como qualquer hábito que deixamos para trás, não estava mais acostumada a sentir os efeitos da menstruação no meu corpo, que antes eram abafados pelos remédios. Comecei a sentir mais cólicas, fluxos intensos e irregulares e, principalmente, a instabilidade no humor (agradecimentos ao meu namorado por ter me aguentado). Mas, ainda bem, depois de alguns meses tudo começou a normalizar (ou eu comecei a me acostumar). Notei também coisas que nem imaginava que passava antes, como por exemplo, como minha autoestima se encontrava baixa, a libido que não era grande coisa, e como tinha muita retenção de líquido durante alguns dias.

Shifaaz Shamoon

Analisando toda a mudança, tenho a sensação que eu não era verdadeiramente eu sob os efeitos do hormônio. Parece que antes, quando eu o usava, eu não me conhecia, mas hoje eu conheço cada período do mês que estou passando. Descobri como lidar com as minhas emoções, e aprendi a amar mais meu corpo e a pessoa que eu sou. Tenho total consciência que é muito difícil entender ou acreditar nesse relato (como disse antes, fui muito resistente até tomar minha decisão), mas posso dizer que essa foi uma das melhores decisões que já tomei na minha vida.

Não estou tentando “converter” ninguém, apenas acho que essa minha experiência é ótima para ser compartilhada. Existem mulheres com doenças que precisam utilizar o hormônio como tratamento. Mas, grande parte das mulheres apenas o toma para não engravidar e, infelizmente, em boa parte dos casos é obrigada pelo companheiro que – coitadinho – não quer usar preservativo. Com tanto acesso a informação como temos hoje, é imprescindível que passemos a pesquisar novas alternativas para nos prevenirmos, e mais, que estejamos sempre abertas a conversar com nossos companheiros(as) sobre qual a melhor forma de tomarmos essa decisão. Não cabe apenas a mulher, o peso e a decisão de arcar com algo que ela não é a única responsável. Se empodere e liberte-se!

Maranatha Pizarras

Duas vidas, duas medidas
Vamos parar de criticar as pessoas?
Conheça o projeto "Princesas de capa, Heróis de avental".
Página 2 de 35
123456... 35››