Vídeo #12: Dicas para se manter motivada!

Olá gente maravilhosa! Dando continuidade ao nosso mês de aniversário, o vídeo dessa semana fala sobre MOTIVAÇÃO (se você não viu o da semana passada, clique aqui agora mesmo). Está precisando de um empurrãozinho pra ficar mais feliz e colocar seus projetos em prática? Então, vem dar uma olhada nas super dicas que preparamos! Ah, e não se esquece de se inscrever no nosso canal pra não perder as novidades! 🙂

INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL! 

Sorteio de aniversário

Você já ouviu falar que maio é o mês de aniversário do Pagu, né? É verdade, estamos completando UM ANO de projeto! E, pra comemorar tanta coisa boa que aconteceu com a gente nesses últimos 365 dias, queremos sortear um presente entre as nossas leitoras.

O sorteio está acontecendo no nosso Instagram. E pra participar, é muito fácil! Você  só precisa curtir a foto oficial, que está AQUI, marcar nos comentários da foto, o instagram de três amigas que precisam conhecer o nosso trabalho e seguir o nosso perfil. O resultado será divulgado no dia 31/05, no decorrer do dia.

E O PRÊMIO?

Como nós abordamos muito os temas “motivação” e “inspiração” por aqui, claro que o presente precisaria ser algo semelhante, né? Então o prêmio será esse lindo quadrinho (feito por nós!) no tamanho 20×30. 🙂

Imagem real do produto

E aí, bora lá participar? Não perde essa chance de ter um pouquinho de Pagu e da nossa motivação diária aí com você!

E o Pagu completa 1 ano! (Vídeo #11)

Parece que foi ontem. Sabemos que essa frase é bastante clichê, mas não há outra maneira para expressar exatamente o que sentimos hoje. Há cerca de 1 ano atrás, nos encontrávamos para aquele que seria apenas mais um café despretensioso entre amigas. Sem muitas intenções, iniciamos o Pagu com ideias de inspirar e unir mulheres criativas de diversos lugares.

Inicialmente, com o objetivo de realizar bate-papos com mulheres criativas, aos poucos o projeto foi crescendo, e hoje, só temos a agradecer por todo mundo que já nos ajudou, e também, para aqueles que ainda acreditam nas nossas ideias. Desde Maio do ano passado, a gente vem produzindo textos e vídeos com o intuito de ajudar mulheres que, assim como nós, encontraram na criatividade sua maior fonte de expressão pessoal e profissional.

Para animar ainda mais esse post, nós fizemos um vídeo com uma breve retrospectiva, e agradecemos também várias pessoas que passaram por nós. Esperamos que gostem, e não esqueçam também que esse mês será um período totalmente dedicado ao nosso aniversário. Preparem-se que vai rolar VÍDEO TODA SEMANA, e vários outras surpresas que ainda estamos preparando. 🙂

INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL! 

5 Dicas para descobrir sua paixão e fazer dela um negócio

Você já sabe o que realmente gosta de fazer? Qual a sua maior paixão? Já se imaginou trabalhando e ganhando dinheiro com isso?  Pois é, nós já havíamos falado sobre trabalhar com o que se ama neste vídeo aqui. Porém, esse é daqueles assuntos que nunca se esgotam, né? E hoje, temos algumas dicas práticas para compartilhar e ajudar vocês a descobrirem suas vocações profissionais. Let’s Go!

1- OBSERVE SUAS APTIDÕES: O que você tem facilidade em fazer? Escrever? Se comunicar? Desenhar? Quais os sites que você mais acessa? Em quais artistas você se inspira? É importante reservar um tempinho para fazer essa auto análise.

2 – ANALISE O QUE VOCÊ FAZ NAS HORAS VAGAS: Quando estamos relaxados e distraídos, podemos aprender muito a nosso respeito. Observe aquilo que você gosta de fazer nos finais de semana, por exemplo. Você gosta de assistir a filmes? Gosta de conhecer lugares novos? Gosta de frequentar museus? Gosta de passear e fotografar com o celular?

Hannah Busing

3 – FAÇA UM DIÁRIO DE ANOTAÇÕES: Que tal anotar tudo aquilo que você observou sobre si mesmo? Vá registrando durante um mês, por exemplo, tudo aquilo que você gosta de fazer. Faça uma lista do que te dá prazer. A partir dessas simples anotações, pode surgir alguma nova ideia de trabalho e os resultados podem ser surpreendentes!

4 – FAÇA UMA PESQUISA DE MERCADO: Já chegou a alguma conclusão bacana a partir das suas anotações? Agora é hora de decidir se a sua ideia é viável. Pesquise para descobrir se existe público para o que você pretende fazer. Lembre-se de decidir quem serão os seus consumidores e onde eles estão. (Na sua cidade? Na internet? Em outro local?).

Kinga Cichewicz

5 – DECOLA LAB: Se você ainda não sabe como transformar a sua ideia em negócio, ou então ainda não tem a ideia de negócio, esse curso maravilhoso ministrado pela Rafa Cappai, te ajudará com certeza. Nós falamos um pouquinho sobre a empresa que criou o curso aqui, e em breve teremos mais informações para passar para vocês!

Espaçonave

E aí, gostou das dicas e quer aprender ainda mais? O Decola Lab vai te ajudar a criar um negócio completo de acordo com o seu perfil e ainda ensinar sobre economia criativa, identidade, marketing e muuuuitos outros assuntos. Fica ligadinha aqui com a gente, que na próxima semana estaremos divulgando mais informações.

5 Ideias para “destravar” a sua criatividade

Se você trabalha com alguma profissão criativa, já deve ter percebido que volta e meia a criatividade resolve dar uma voltinha, não é mesmo? E quando ela some sem dar nenhum sinal, o que podemos fazer para trazê-la de volta?

Aqui no blog tem uma lista com 8 dicas para lidar com o bloqueio criativo. Além disso, tem também uma playlist com músicas para criar. Mas, falar sobre criatividade nunca é demais. Por isso, aqui vão algumas dicas atualizadas e extras, para lhe fazer tomar uma atitude nessas horas de agonia e falta de novas ideias.

1 | REFLITA SOBRE O QUE LHE INSPIRA 

Tem dias que as ideias não saem do lugar, e eu fico pensando se estou no caminho certo, se escolhi a profissão que realmente me completa. Neste caso, percebi que o melhor remédio para “curar” tudo isso são as nossas motivações e inspirações. Pergunte-se: “Por que eu escolhi esse caminho?”, “O que me fez chegar até aqui?”, “Por que eu não estou conseguindo ter novas ideias?”. Como trabalho com histórias e escrita, busco sempre textos que me inspiram e motivam. Busco por referências, pessoas as quais admiro. Mas, se você trabalha com fotografia, por exemplo, pode procurar também por fotógrafos que goste, fotos inspiradoras, etc. Arrisque-se, saia da sua zona de conforto ou até mesmo fique nela, mas, busque por algo, vá atrás daquilo que você deseja.

2 | FAÇA ANOTAÇÕES SEMPRE

Por parecer bobagem, mas, ter um bloco de anotações sempre com você, pode fazer uma grande diferença nos momentos de crise.  Pode ser um caderno, post-it, bloco de anotação, qualquer coisa! Escreva tudo que vier à mente, mesmo que na hora a ideia não pareça boa. Recorra a ele sempre que precisar e o rabisque como quiser. 

Jess Watters

3 | DESCANSE QUANDO PRECISAR

Algo essencial, mas que muitas vezes acabamos deixando de lado. Durma bem, descanse, relaxe, tome um bom chá (se você gosta, é claro), e tire um tempo pra si. Às vezes, o grande motivo da falta de criatividade é o nosso cansaço. Se ajudar, vá até um parque ou simplesmente, saia da rotina um pouco. Você verá que fará toda a diferença para atrair mais ideias para a sua vida.

4 | PRATIQUE ALGUMA ATIVIDADE ARTÍSTICA

Na época em que eu desenhava, sempre que estava sem inspirações, buscava por artistas que eu gostava, ia copiando algumas referências, criando meus próprios traços a partir do desenho de alguém (não estou incentivando plágio, longe de mim!). Depois disso,  minha criatividade ia voltando à medida que eu ficava imersa à esse mundo, assim criava novas coisas. Por isso, uma boa ideia pros momentos de “trava”, é também praticar algum tipo de atividade artística. Vale desenhar, pintar, esculpir, fotografar, ou simplesmente, rabiscar uma folha. 

Joanna Kosinska

5 | FAÇA UM BRAINSTORM 

Pra quem não sabe, “Brainstorm” nada mais do que é do que uma “chuva de ideias”, em sua tradução literal. Hoje, quando preciso escrever e não está saindo nada de bom, além de procurar textos sobre assuntos que gosto, eu começo a fazer um brainstorm e vou colocando várias palavras soltas no papel. No final, tenho algo completamente maluco, mas que se eu olhar com mais atenção, posso ir lapidando depois e transformando em novas ideias. Arrisque-se e veja o resultado com os seus próprios olhos. 

Então, gostou das dicas? Que tal começar a colocá-las em prática hoje mesmo? Pegue um papel e uma caneca e faça uma “chuva de palavras”. Deixe a mente e a sua criatividade fluírem livremente. Depois volta aqui nos comentários e nos conta como foi essa experiência! 🙂

Colaboradoras #2: O Artista, por Morgana Luz

Artista é uma porção de coisas antes de ser artista. É carregador de carga, caixa de super mercado, advogado, marceneiro, bancário, catador de latinha, contabilista e caçador de estrelas. Tem artista em todo o lugar, exercendo as mais diversas atividades, por gosto, por afinidade ou por necessidade. Raros são os que nascem, vivem e morrem artistas, sem experimentar o “cárcere cotidiano”. 

Muito se fala sobre a falta de espaço para o artista na sociedade atual, sobre como esse artista é visto pelo público que precisa cativar e como se  manter artista. O tanto de resistência que existe em cada um de nós é o que vai determinar o quanto de valor damos a própria arte. Queremos respeito, ser valorizados e espaço nos meios. Mas,  o que fazemos para conquistar este espaço? Que lugar nós ocupamos na nossa vida como artistas e o quanto assumimos esta responsabilidade?

Alguns falam sobre o modo como são tratados e como as pessoas descartam a arte. Porém, eu arrisco dizer que nós artistas, precisamos resistir mais. A partir do momento em que impomos o nosso valor e, por que não, o nosso preço, dizemos que SIM, se vive de arte. E que a arte vale alguma coisa.

Mas, neste ponto  existe um outro tipo de resistência. Se luta para que a arte seja valorizada e vista de outra forma – como mecanismo de regaste, de exteriorizar sentimentos e de compreender  o lugar em que se vive – , mas, se pouco vive isso e por inúmeros motivos. Um deles é o egoísmo.

Se faz arte pra quê? A arte, em si, é egoísta. Fazemos arte para satisfazer o que queremos dizer ao mundo, mas pouco se escuta. É preciso refletir sobre o nosso papel e o quanto ele pode impactar a vida das pessoas e de que forma isso é possível  e transformador dentro da própria arte. Como aquela pintura vai mexer no íntimo do meu espectador? Como a música chega aos ouvidos de quem não ouve nada? Como quem não vê vai enxergar  o que eu quero dizer? Questões para se refletir…

Mas, e agora, como organizar o meio exato da força? É preciso desligar o sensor dos sentidos e dos sentimentos? Não sei. Acredito que seja possível empreender no meio criativo, com base em alguns estudos, podendo assim nortear e sistematizar o caminho a ser seguido. Como se organizar financeiramente, em que investir no campo da arte e como desenvolver o potencial, atendendo ao seu público alvo, são áreas do meio empreendedorismo, mas que não devemos abrir mão se quisermos realmente ser donos do nosso caminho. Talvez não se tenha o “tino” para esse lado tão exato, porém, ele precisa ser desenvolvido, a duras penas, se for o caso.

Nem tudo são flores. Nem sempre elucubraremos 24 horas por dia. São necessários minutos, horas de planejamento e, talvez, um certo esforço nesse sentido, porque correr atrás de estrelas e imaginar universos é muito bonito, mas é incrível poder inspirar pessoas, através da realização dos nossos sonhos.

Vídeo #9: Saindo da rotina

Você já parou para pensar o quanto é importante sair da rotina? Principalmente para quem trabalha com criatividade, trabalhar em um local descontraído, ou simplesmente, sair para passear de vez em quando, são atitudes fundamentais para o desenvolvimento de novas ideias. Nesse vídeo, a gente fala exatamente sobre isso. Resolvemos ir para um lugar diferente, e gravar um vídeo de forma despretensiosa. Ta curiosa pra ver o resultado e as nossas dicas? Então, dá o play aí embaixo, e não esquece de se inscrever no nosso canal, caso ainda não seja inscrita. 😉

#Respeitaasmina #7: Cecília Meireles

Pra finalizar a nossa semana especial de mulheres incríveis, hoje vamos falar de mais uma brasileira fantástica: Cecília Meirelles.

Cecília Benevides de Carvalho Meireles nasceu no ano de 1901 na cidade do Rio de Janeiro. Órfã de pai e mãe, foi criada pela avó, e desde muito cedo, destacou-se pelo seu empenho escolar e interesse pelos livros. Foi poetisa, professora, jornalista e pintora. Também adorava música, chegou a estudar canto, violão e violino no Conservatório Nacional de Música. Por meio de uma criação solitária e muito introspectiva, Cecília viu nos estudos o seu porto seguro.

Iniciou sua carreira docente no ano de 1918 com 17 anos, quando foi nomeada professora adjunta na Escola Pública Deodoro. Preocupada com a escassez de livros didáticos, Cecília escreveu livros para escolas primárias, e publicou em 1924 o seu primeiro livro infantil com prosas chamado Criança, Meu Amor. Porém, sua estréia oficial literária aconteceu mesmo em 1919, através do livro de sonetos Espectros.

Uma das suas obras de maior destaque foi o livro Romanceiro da Inconfidência, de 1953. Nele, estão reunidos diversos poemas da autora que contam a história de Minas Gerais no inicio de sua colonização, até a Inconfidência Mineira, revolta ocorrida no fim do século 18.

“…Liberdade, essa palavra
que o sonho humano alimenta
que não há ninguém que explique
e ninguém que não entenda…”
(Romanceiro da Inconfidência)

Cecília Meireles

Cecília ficou conhecida por sempre defender uma escola com princípios de liberdade, inteligencia, de estímulo a observação e experimentação. Além disso, seus poemas possuem uma simplicidade e fluidez que dificilmente outros autores conhecidos (principalmente mulheres) haviam na época. Ao todo, foram mais de 60 obras publicadas, e prêmios e homenagens que seu nome carrega até hoje. Meireles morreu no mês de Novembro de 1964, vítima de um câncer.

Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,
Assim calmo, assim triste, assim magro,
Nem estes olhos tão vazios,
Nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
Tão paradas e frias e mortas;
Eu não tinha este coração
Que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
Tão simples, tão certa, tão fácil:
– Em que espelho ficou perdida
a minha face?

Cecília Meireles

_____________

Canção

No desequilíbrio dos mares,
as proas giram sozinhas…
Numa das naves que afundaram
é que certamente tu vinhas.

Eu te esperei todos os séculos
sem desespero e sem desgosto,
e morri de infinitas mortes
guardando sempre o mesmo rosto

Quando as ondas te carregaram
meu olhos, entre águas e areias,
cegaram como os das estátuas,
a tudo quanto existe alheias.

Minhas mãos pararam sobre o ar
e endureceram junto ao vento,
e perderam a cor que tinham
e a lembrança do movimento.

E o sorriso que eu te levava
desprendeu-se e caiu de mim:
e só talvez ele ainda viva
dentro destas águas sem fim.

Cecília Meireles

_____________

Lua adversa

Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua…
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua…)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua…
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu…

Cecília Meireles

Referências: 1 | 2 | 3 | 4

#Respeitaasmina #6: Nina Simone

Eunice Kathleen Waymon, mais conhecida pelo nome artístico de Nina Simone, nasceu no ano de 1933, em Tryon, Carolina do Norte, Estados Unidos. A infância de Nina foi pobre e simples, porém, isso não a impediu de se interessar pela música desde cedo. Começou a cantar em bares de cabarés para poder se sustentar. Além da sua voz única que misturava jazz, blues, folk, soul e música clássica, ficou conhecida também por ser uma mulher de fibra, e que lutava bravamente pelos direitos civis dos negros.

“Eu podia cantar para ajudar meu povo e isso se tornou o principal esteio da minha vida. Nem o piano clássico, nem a música clássica, nem mesmo a música popular, mas a música dos direitos civis.” Nina Simone

A música era definitivamente a sua melhor arma. Nina foi uma mulher incrível justamente por não ter medo de se posicionar, e ser uma das primeiras mulheres negras a frequentar diversos espaços. Suas músicas expressavam os seus sentimentos e o ativismo contínuo.

Quando tinha somente 17 anos, mesmo dedicando-se inteiramente, não foi aceita em um conservatório de música clássica, chamado Curtis Institute of Music. Nina atribui essa rejeição ao fato de ser uma mulher negra, e isso tudo só a fez ter ainda mais vontade de lutar por sua música e seus diretos como mulher.

Na década de sessenta, casou-se com o detetive Andrew Stroud, que mais tarde veio a se tornar o seu empresário, e teve sua única filha chamada Lisa Simone. Os dois se separam anos mais tarde, devido aos diversos desentendimentos. Segundo fontes, ele até mesmo havia espancado ela.

Em 1963, a sua música Mississipi Goddam tornou-se um hino da causa negra. A canção fala do um assassinato de quatro crianças negras em uma igreja de Birmingham. A partir de então, Nina envolveu-se completamente com as causas do povo negro e não parou mais.

No início da década de noventa, com mais de cinquenta anos de idade, Nina descobriu um câncer de mama em estágio avançado, e lutou bravamente contra ele por mais de dez anos. Também foi diagnosticada com uma forte depressão e com transtorno bipolar. As diversas medicações prejudicaram bastante a sua vida, especialmente em sua carreira, além de passar a conviver com crises de pânico e ansiedade constantemente. Ela faleceu no ano de 2003, aos 70 anos de idade, na França.

Recentemente, a Netflix lançou um documentário que conta sobre a vida de Nina Simone, com um enfoque no seu transtorno bipolar. Mesmo assim, existem outros documentários pela internet que contam mais detalhes da sua carreira musical e artística. Ainda assim, da pra ter um gostinho do que foi esse ícone assistindo o trailer abaixo, confira:

E aí, gostou de conhecer um pouco mais sobre a Nina Simone? Tem algum outro fato da história dela que gostaria de acrescentar? Escreve pra gente nos comentários e não deixa de compartilhar com outras mulheres igualmente incríveis que você conhece. 🙂

Referências: 1 | 2 | 3

#Respeitaasmina #5: Maud Wagner

Dando continuidade à nossa série de mulheres inspiradoras, Maud Wagner não poderia ficar de fora. Você já parou para pensar como foi o surgimento da tatuagem? Ou como a tatuagem se popularizou? Pois é, Maud é a primeira tatuadora mulher a ser reconhecida. Americana, nasceu no início do século passado e iniciou seus trabalhos como artista de circo. Certo dia, conheceu o tatuador Gus Wagner e ele se encantou pela artista. Assim, ela aceitou sair com ele, se ele ensinasse ela a tatuar. Casaram-se algum tempo depois.

Maud Wagner e seu corpo tatuado

Aos poucos, Maud foi aprendendo técnicas de tatuagem, testando-as em sua própria pele. Algumas de suas tatuagens também foram feitas pelo seu marido. Juntos, tiveram uma filha que (pasmem) começou a tatuar a partir dos 9 anos de idade. Junta, a família viajava pelos Estados Unidos e espalharam sua arte por todo o país.

Gus Wagner tatuando sua esposa

Infelizmente, tatuagens em mulheres não eram bem vistas para a época, e mulheres que tinham o corpo tatuado, sofriam preconceito até então. Somente mais tarde, com o surgimento das pin-ups, que a tatuagem realmente passou a ser aceita e admirada no corpo feminino.

Pin-up com o corpo tatuado

A arte de ter a pele marcada, até hoje divide opiniões pelo mundo. Infelizmente, existem pessoas que são mal vistas ou descriminadas, por terem tatuagens na pele. Porém, aos poucos, mais pessoas estão se conscientizando de que tatuagem não molda o caráter de ninguém, ideia que Maud já vinha pregando enquanto era viva.

Referências: 1 | 2

#Respeitaasmina #4: Frida Kahlo

Quando falamos em mulheres fortes e inspiradoras, claro que não podemos deixar Frida Kahlo de fora. E é por isso que, hoje nos inspiraremos um pouquinho mais com a história dela. A pintora mexicana Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderon, se tornou uma das pintoras de maior destaque no cenário mexicano e mundial, por causa de sua pintura cheia de cores e personalidades.

Frida Kahlo

Revolucionária e destemida para sua época, Frida também sempre foi muito patriota e usava a sua pintura como fonte de expressão. Em muitos de seus quadros, ela retratava fases de sua vida, como por exemplo um dos abortos que sofreu, seu problema de coluna, que surgiu devido a um acidente que a deixou sem caminhar por muitos anos, e também retratos de seu marido, o também pintor Diego Rivera, que foi infiel durante toda a sua vida. Sendo assim, muitos de seus quadros são melancólicos e até mesmo chocantes, apesar de suas cores alegres (característica de sua origem mexicana, assim como suas roupas).

“Eu pinto-me porque estou muitas vezes sozinha e porque sou o tema que conheço melhor”.  Frida Kahlo

Quadro ‘A Coluna Partida’ – 1944
Quadro ‘As duas Fridas” – 1939
Quadro ‘Sin Esperanza’ – 1945

Frida não teve uma vida fácil. Uma mulher de fibra, que soube superar através da pintura seus medos, fraquezas e problemas. Principalmente em uma época em que assuntos como infidelidade, aborto e bissexualidade eram pouco falados. Por esses e tantos outros motivos, ela é até hoje conhecida como símbolo de feminismo e inclusive se tornou uma figura popular para o tema, em forma de camisetas, quadros, xícaras e outros objetos.

Hoje, quem vai ao México, pode visitar a Casa Azul, lugar onde a pintora nasceu e que agora funciona como museu. A sua história também está presente no livro O Diário de Frida Kahlo – Um Auto Retrato íntimo, que foi escrito por ela, e conta sobre momentos importantes de sua vida, até seus últimos dias. E, para os cinéfilos de plantão, há também o filme Frida, lançado em 2002 e estrelado por Salma Hayek.

Páginas do diário de Frida
Páginas do diário de Frida
Páginas do diário de Frida

Frida Kahlo faleceu em 1954, após contrair pneumonia. Porém, sua determinação e força seguem conosco até hoje, inspirando a todas as mulheres.

Referências: 1 | 2 | 3

 

#Respeitaasmina #3: Elza Soares

Em comemoração/respeito à semana da mulher, desde segunda-feira, estamos fazendo um post por dia com histórias e trabalhos de mulheres incríveis. Se você não viu o que já rolou, clique aqui, e aqui e confira outras duas mulheres sensacionais.

Hoje, vamos falar de uma mulher brasileira de muito talento e força: Elza Soares. Ouzo dizer que poucas pessoas realmente conhecem a sua história. Quem vê essa senhora de aparência diferente e frágil, não imagina tudo o que ela já teve de enfrentar e o que passou em seu passado para chegar onde está.

Elza da Conceição Soares nasceu em 1937, no Rio de Janeiro, e teve uma infância pobre, porém feliz. Aos 13 anos casou-se com o seu primeiro marido, e aos 14 deu a luz ao seu primeiro filho. Aos 15 anos, perdeu o seu segundo filho, e aos 21 anos, tornou-se viúva. Sozinha e com cinco filhos para criar, ela começou a trabalhar como faxineira e empregada doméstica. Porém, sempre quando conseguia, buscava participar de programas de calouros, onde cantava, pois esse havia sempre sido o seu sonho.

Anos mais tarde e já atuando como cantora, Elza conheceu o jogador Garrincha. Como ele era casado com outra mulher na época, Elza foi muito xingada e ameaçada de morte por diversas pessoas, pois segundo elas, ela teria sido a “culpada” pela separação dele. Eles se casaram em 1968 e ficaram juntos por 16 anos.

Elza em uma apresentação

Apesar de se gostarem muito, Elza sofreu bastante com o alcoolismo do jogador, que morreu de cirrose anos mais tarde. O filho deles, que tinha o mesmo nome do pai, morreu em um acidente de carro em 1986, com apenas 9 anos de idade. Esse acontecimento deixou Elza extremamente abalada, o que a fez tentar suicídio, porém felizmente, o pior não aconteceu.

Todas estas infelicidades, jamais deixaram com que Elza desistisse de cantar, ou tirasse o seu sorriso do rosto. Ao longo de sua carreira, ela coleciona diversos prêmios e indicações, e recentemente, foi eleita pela BBC de Londres como “a cantora do milênio”.

Seu mais recente disco, lançado em 2015, se chama “A mulher do fim do mundo”, e olha, QUE ÁLBUM! Mesmo pra quem não curte samba ou MBP, recomendamos fortemente. Principalmente, pela mulher que Elza é, por sua história e claro, talento nato.

O 34° álbum dela traz músicas inéditas de sua carreira, e misturam gêneros como samba, rock, rap e eletrônica, tratando de temas como a violência doméstica, sofrimento urbano, transexualidade, negritude, entre outros. O álbum ganhou o Grammy Latino 2016 na categoria Melhor Álbum de Música Popular Brasileira. A canção “Mulher do Fim do Mundo” faz parte da trilha sonora da série brasileira 3%, da Netflix. Veja o clipe oficial da música logo abaixo.

Álbum “A mulher do fim do mundo”, Elza Soares

É claro que existem muito mais detalhes a respeito da vida de Elza que não foram relatados aqui, senão ficaríamos até amanhã escrevendo, de tanta vida e alma que esta mulher possui. Mesmo assim, o que fizemos foi buscar formular os principais acontecimentos e trabalhos, que fazem desta uma grande mulher uma pessoa singular.

Elza rainha em seu “trono”

Tem alguém que você conhece que gostaria de conhecer um pouco mais sobre ela? Então, compartilha essa publicação! Também queremos saber o que você achou do post e também das músicas da Elza. Portanto, não deixe de comentar. 🙂

Referências: 1 | 2 | 3

#Respeitaasmina #2: Daiane Arbus

E, seguindo com as nossas inspirações especiais para a semana da mulher, hoje conheceremos um pouco mais do trabalho fotográfico de Diane Arbus. Ela é uma das fotógrafas de maior importância da história. Nascida em Nova York, Diane iniciou sua carreira na fotografia de moda. Somente após alguns anos, ela descobriu a fotografia documental. O foco principal de seu trabalho era fotografar pessoas que eram consideradas “fora dos padrões” para a época. Sendo assim, ficou conhecida como “a fotógrafa dos freaks”.

Diane com sua câmera

A troca de Diane de um mundo repleto de luxo e glamour, para um mundo de “excluídos”, sofreu muitas críticas e foi visto até como maneira de protestar a sociedade em que ela mesmo vivia. Diane passou parte de sua vida fotografando anões, travestis, artistas circenses, pessoas com deficiência e entre tantos outros que eram marginalizados, representando-os e defendendo-os. E também, recebeu bolsas, prêmios e muito reconhecimento, por seu trabalho único.

Foto por Diane Arbus
Foto por Diane Arbus
Foto por Diane Arbus
Foto por Diane Arbus

Diane, através de suas fotografias, dava voz aos excluídos e mostrava ao mundo a suas existências. Ela, naquela época, já lutava contra os padrões que até hoje nós tentamos eliminar. A fotógrafa queria que todos fossem aceitos na sociedade.

“Uma fotografia é um segredo sobre um segredo. Quanto mais ela te conta, menos você sabe.” – Diane Arbus

Foto por Diane Arbus
Foto por Diane Arbus
Foto por Diane Arbus
Foto por Diane Arbus

Infelizmente, ela entrou em depressão e acabou se suicidando aos 48 anos. Mas, é considerada até hoje um ícone dentro da fotografia documental, por causa de seu estilo e sua personalidade fortes. Além de, claro, ser uma mulher batalhadora e destemida, pois seguiu suas opiniões e instintos.

Foto por Diane Arbus
Foto por Diane Arbus
Foto por Diane Arbus

 E aí, gostou? Então tem inspiração extra por aqui: Em 2006, foi lançado um filme sobre a história de Diane. Fur: An Imaginary Portrait of Diane Arbus é estrelado por Nicole Kidman e Robert Downey Jr. Então, prepare a pipoca e prepare-se para entrar no mundo dessa fotógrafa genial, que nos deixou um acervo fotográfico diversificado e único.

Biografia 1 | 2

#Respeitaasmina #1: Marina Abramović

Dando o pontapé inicial na nossa semana de respeito ao dia da mulher (essa semana teremos um post por dia com mulheres inspiradoras), hoje vamos falar de uma artista sensacional e conhecida pelo mundo todo: Marina Abramović.

Pra quem não a conhece, Marina nasceu em 1946 na Iugoslávia e graduou-se em Bela Artes na Academia de Belas Artes de Belgrado. Seu trabalho passou a ser conhecido na década de 70, e continua sendo lembrado principalmente por suas performances surpreendentes.

“Sempre fui fortemente inspirada pelos primeiros exploradores, pessoas que vão a lugares desconhecidos e realizam viagens que não sabem onde e como terminam.” M.A.

O corpo sempre foi o tema central de suas obras. Desafiando limites físicos e sensações como dor, angústia, entre outros sentimentos, a preocupação de Abramović é com a criação de obras que ritualizem as ações simples da vida cotidiana, como mentir, sentar, sonhar e pensar, buscando uma transformação emocional e espiritual.

Performance “AAA-AAA”
Performance ” A artista está presente”

Em 2016, foi lançado o documentário “Marina Abramović e o Brasil”, com direção de  Marco Del Fiol. Esse filme é um verdadeiro tapa na cara de muitos brasileiros que insistem em desvalorizar o seu próprio país. No auge dos seus quase 70 anos na época, no longa, Marina viaja por lugares místicos do Brasil, pesquisando comunidades espirituais, pessoas e lugares de poder. Um Brasil diferente de tudo o que você já viu. Confira o trailer abaixo:

No seu site, é possível conhecer um pouco mais da história dessa fascinante artística performática. Marina é uma mulher que vai além do que lhe é imposto, supera-se na sua arte, na sua vida pessoal, no trabalho, nas suas relações amorosas e de amizade. Com certeza uma mulher que queremos sempre lembrar e prestigiar nessa semana em homenagem/respeito as mulheres incríveis que conhecemos. E você, qual mulher sensacional vai homenagear hoje?

Referências: 1 | 2 | 3

Vídeo #8: Como melhorar minha empresa? (Mudar é necessário!)

Se você é uma empreendedora criativa, já deve ter percebido que um dos principais desafios em nossa carreira é a tão evitada e temida MUDANÇA. Mudar faz parte da vida e do ser humano, e ela vai acontecer você querendo ou não. Apesar da dificuldade em aceitarmos isso, você já parou para pensar como ela na verdade pode lhe ajudar a melhorar a sua empresa? Nesse vídeo, a gente faz um resumo bem bacana de como mudar pode ser na verdade uma oportunidade de melhorar mais e mais. Confere aí embaixo e por favor, não esquece de se inscrever no canal hein! 😀

10 Livros para turbinar a sua criatividade hoje mesmo!

Para nos manter criativos, precisamos sempre pesquisar em novas fontes, aprender diferentes técnicas e adquirir o máximo de conhecimento possível. Recentemente, fizemos um vídeo lá no nosso canal, com dicas de dois livros sobre criatividade que adoramos. Se você ainda não viu, clique aqui. Inclusive, os dois livros que citamos, estão nessa lista do post de hoje também.

Para turbinar ainda mais o seu processo criativo, resolvemos trazer mais algumas dicas em formato de post. E olha que legal, caso você se interesse por algum livro e queira comprá-lo online, basta clicar na imagem do livro que você será redirecionada para o site da Amazon Brasil, com um link exclusivo nosso. Além de comprar em uma plataforma confiável e com preços ótimos, você também estará ajudando financeiramente o nosso projeto. Então, bora “calibrar” essa criatividade? 🙂

1 | ROUBE COMO UM ARTISTA, DE AUSTIN KLEON

Já falamos diversas vezes por aqui a respeito desse livro, inclusive no nosso vídeo lá no canal. “Roube como um artista” é ótimo, pois possui diversos exercícios que lhe ajudam a desbloquear a criatividade. Um livro bem dinâmico, divertido e inspirador.

Sinopse: Verdadeiro manifesto ilustrado de como ser criativo na era digital, Roube como um artista, do designer e escritor Austin Kleon, ganhou a lista dos mais vendidos do The New York Times e figurou no ranking de 2012 da rede Amazon ao mostrar com bom humor, ousadia e simplicidade que não é preciso ser um gênio para ser criativo, basta ser autêntico. Baseado numa palestra feita pelo autor na Universidade do Estado de Nova York que em pouco tempo se viralizou na internet, Roube como um artista coloca os leitores em contato direto com seu lado criativo e artístico e é um verdadeiro manual para o sucesso no século XXI. (Fonte)

2 | POESIA VISUAL, DE CHRIS ORWIG

Poesia Visual é considerado um guia para a inspiração e criatividade fotográfica. Porém, mesmo se você não for da área da fotografia, vale a pena ler. Ele nos ajuda a enxergar a poesia em tudo que há: luz, formas, texturas. Um verdadeiro encanto para os olhos e a alma!

Sinopse: Uma boa fotografia tem o potencial para transcender a linguagem verbal e escrita. Contudo, como criar essas fotografias? Não é o como que é importante, mas o quem e o quê. Quem você é como pessoa, tem um impacto direto no que você captura como fotógrafo. Seja você um amador ou um profissional, arquiteto ou acupunturista, físico ou fotógrafo, este guia fornece inspiração, técnicas simples e tarefas para impulsionar seu processo criativo e aprimorar suas imagens digitais utilizando luz natural sem equipamentos adicionais. Poesia Visual é um livro de fotografias que permite a visão sintética da poesia onde o pouco torna-se muito e o óbvio pode revelar e exteriorizar emoções. Espere encontrar nestas páginas muito mais que simples fotos. Espere se emocionar ou ter a impressão de que a vida é diferente daquilo que você conhece. Elas guardam, além de dicas magistrais de um excelente fotógrafo, o grande mistério da existência, as lembranças, a pura expressão artística, aliada à técnica máxima de um poeta das lentes. (Fonte)

3 | GRANDE MAGIA – VIDA CRIATIVA SEM MEDO, DE ELIZABETH GILBERT

Esse grande livro da autora Elizabeth Gilbert também está na nossa indicação lá do Youtube. Uma publicação espetacular pra quem deseja viver uma vida criativa mais livre e sem tanto medo do que os outros vão pensar. Especial também para as mulheres, pois sua autora tem essa visão feminina sobre o assunto, super recomendado.

Sinopse: Ao compartilhar histórias da própria vida, de amigos e das pessoas que sempre a inspiraram, Elizabeth Gilbert reflete sobre o que significa vida criativa. Segundo ela, ser criativo não é apenas se dedicar profissional ou exclusivamente às artes: uma vida criativa é aquela motivada pela curiosidade. Uma vida sem medo, um ato de coragem. A partir de uma perspectiva única, Grande Magia nos mostra como abraçar essa curiosidade e nos entregar àquilo que mais amamos. Escrever um livro, encontrar novas formas de lidar com as partes mais difíceis do trabalho, embarcar de vez em um sonho sempre adiado ou simplesmente acrescentar paixão à vida cotidiana. Com profunda empatia e generosidade, Elizabeth Gilbert oferece poderosos insights sobre a misteriosa natureza da inspiração. (Fonte)

4 | A ARTE DA CRIATIVIDADE, DE ROD JUDKINS

Pequenas lições, como por exemplo, “se não estiver quebrado, quebre”, ou então “seja maduro o suficiente para ser infantil”, compõem este livro. Sem ordem cronológica específica, você pode ler de trás para frente, ou da maneira que julgar melhor. Um verdadeiro achado!

Sinopse: Professor da University of The Arts London (UAL), no prestigiado Central Saint Martins, referência no ensino de arte e design na Inglaterra, Rod Judkins é especialista em técnicas criativas e consultor de empresas. Preocupado em levar o espírito da criatividade e da liberdade existentes no mundo da arte para a vida cotidiana, ele mostra que pensar criativamente, além de ser a chave para resolver muitos problemas no mundo do trabalho e dos negócios, é uma forma de se relacionar com a própria vida. O livro apresenta técnicas úteis para desenvolver o pensamento criativo e examina o comportamento de mentes brilhantes como Andy Wharol, Steve Jobs e outras personalidades de diversas áreas, além de ensinar como superar obstáculos como insegurança, medo ou falta de motivação. Segundo o autor, criatividade não tem a ver com produzir uma pintura ou um romance, mas com criar a si próprio, um futuro melhor e aproveitar as oportunidades. (Fonte)

5 | VAI LÁ E FAZ, POR TIAGO MATTOS

Um livro não apenas sobre criatividade, mas também sobre empreendedorismo. É pura motivação para que possamos tirar as idéias do papel e fazer acontecer. Até o design do livro é inspirador, cheio de cores, gráficos e frases impactantes.

Sinopse: O mundo está cheio de histórias de empreendedores que começaram do nada. Tiago Mattos, um dos maiores futuristas brasileiros, formado pela Singularity – a universidade erguida no Vale do Silício pelo Google em parceria com a Nasa – vai te mostrar neste livro que, sim, você pode criar uma empresa bem-sucedida do zero se tiver o mindset certo e entender como o mundo está mudando. Porque nunca foi tão fácil fazer. Nunca foi tão fácil fazer um livro, uma música, um filme, uma reunião dos colegas do ensino médio, uma passeata, um partido político, uma casa, um carro, uma declaração de amor, uma viagem ao redor do mundo. Nunca foi tão fácil fazer uma empresa. Nunca foi tão fácil entender que ninguém fará o mundo que você quer por você. Só você. (Fonte)

6 | MOSTRE SEU TRABALHO, DE AUSTIN KLEON

Mais uma vez, Austin Kleon por aqui. Mas o que fazer se esse autor só escreve livros bons? Nessa obra, ele dá 10 dicas de como compartilhar a sua criatividade e mostrar seu trabalho ao mundo e ser descoberto. Sabe aqueles livros para se ter na estante e, seguidamente, dar uma consultadinha? É esse aí mesmo! Uma publicação didática, gostosa de ler, e reler, e reler, e reler…

Sinopse: Depois de Roube como um artista, um manifesto irreverente e repleto de dicas bem-humoradas para ativar o potencial criativo, e Roube como um artista: o diário, o escritor e artista gráfico Austin Kleon ensina ao leitor como compartilhar sua criatividade e tornar seu trabalho conhecido na era digital. Dividido em 10 capítulos com regras transformadoras e objetivas, citações, exemplos práticos e ilustrações bem-humoradas, Mostre seu trabalho derruba de vez o mito do “gênio solitário” ao propor atitudes que valorizam o compartilhamento de ideias durante o processo criativo sem medo de ser “roubado”. Para Kleon, a generosidade supera a genialidade no mundo atual, e a capacidade de estar acessível e de saber usar as redes sociais de maneira produtiva, de forma a criar interesse e curiosidade em torno de seus projetos, é mais efetiva para tornar seu trabalho conhecido e relevante do que o desgastado “networking”. (Fonte

7 | A HISTÓRIA SECRETA DA CRIATIVIDADE, DE ASHTON KEVIN

Esse livro é um verdadeiro tapa na cara a respeito de tudo o que você já aprender ou ouviu falar sobre o que é a criatividade. Livre-se de todos os seus esteriótipos criativos nesse livro surpreendente e cheio de histórias. Toda vez que você lê, você se surpreende.

Sinopse: Quando pensamos nos grandes inventores e gênios criativos, muitas vezes temos a impressão de que seus feitos são resultado de um momento de inspiração. Imaginamos que Mozart ouvia suas composições inteiras na mente antes de escrevê-las, que Einstein desenvolveu a Teoria da Relatividade durante uma conversa informal e que Kandinsky pintava suas obras numa única tarde. Mas, na verdade, a criação está longe de depender da sorte, da simples inspiração ou de algum dom especial. Em A história secreta da criatividade , o professor do MIT Kevin Ashton mostra que o processo criativo é lento, complexo, espinhoso e repleto de falhas, frustrações e recomeços. Por meio de histórias reais e inspiradoras – como a do menino de 12 anos que fez a produção mundial de baunilha crescer no século XIX, da mulher que realizou as primeiras descobertas sobre o DNA e dos irmãos Wright dominando a arte de voar –, Ashton explora algumas das grandes invenções da humanidade para revelar a surpreendente verdade por trás de sua concepção. Ao analisar a trajetória de grandes nomes das ciências, das artes e dos negócios, o autor mostra que a capacidade criativa é inerente ao ser humano. O que faz com que alguns deles se destaquem, no entanto, é um misto de perseverança, trabalho duro e dedicação. De Arquimedes à Apple, dos Muppets à latinha de Coca-Cola, este livro é uma apaixonante investigação sobre o surgimento das ideias – e mostra que todos nós somos capazes de colocá-las em prática. (Fonte)

8 | O CAMINHO DO ARTISTA, POR JULIA CAMERON

Mais uma autora mulher pra lista, yey! Uma publicação cheia de práticas e atividades que irão fazer com que você desperte para a criatividade como um todo. Um verdadeiro tesouro para se ter na estante.

Sinopse: O caminho do artista reúne uma série de exercícios, reflexões e ferramentas para ajudar você a despertar sua criatividade, recuperar a autoconfiança e se livrar dos bloqueios criativos. Organizadas num programa de 12 semanas, essas técnicas vão guiá-lo por uma viagem de autodescoberta, ajudando-o a enfrentar seus medos, crenças e inseguranças – os maiores obstáculos para quem deseja expressar qualquer forma de arte. Este livro desmistifica a ideia de que o processo criativo precisa ser sofrido e extenuante, embora ele requeira uma boa dose de persistência e prática. Com este método, você vai aprender a abandonar as desculpas que o impedem de transformar suas ideias em realidade. Você vai descobrir como criar com mais liberdade e menos autocrítica, usando de forma consciente o potencial criativo que estava represado até agora. (Fonte)

9 | CRIATIVIDADE E PROCESSOS DE CRIAÇÃO, DE FAYGA OSTROWER

A autora e artista Fayga Ostrower é simplesmente um encanto! Prepare-se para viajar pelo mundo do processo criativo com esse livro sensível demais. Nele, a autora fala sobre os principais aspectos do criar, além de trazer um olhar único sobre esse assunto. Uma obra muito bonita e singular.

Sinopse: Com o referencial da arte, mas temática interdisciplinar, a autora encara a criatividade como um potencial próprio de todos os humanos. Nos processos criativos em geral importam: percepção, formas, intuição e imaginação, assim como o crescimento e a maturidade das pessoas. Os pensamentos são ilustrados com obras de arte e análises de seu conteúdo expressivo. (Fonte)

 

 

10 | PENSE COMO UM ARTISTA, DE WILL GOMPERTZ

E para fechar a lista, mais um livro sobre artistas é verdade. Mas, quase impossível falar sobre criatividade sem mencionar estes seres que a usam o tempo todo. A verdade é que no fundo, todos somos um pouco artistas, basta acreditarmos. Encanta-se com os pensamentos e processos de grandes artistas nessa publicação cheia de sentimento e inspiração!

Sinopse: A sabedoria e o pensamento criativo dos grandes artistas, de Da Vinci a Ai Weiwei, que podem ajudar a transforma sua vida Como editor de artes da BBC, Will Gompertz entrevistou e conviveu com muitos dos maiores artistas, diretores, escritores, músicos, atores, designers e pensadores criativos do mundo. E descobriu uma série de traços comuns a todos eles: práticas e processos básicos que estimulam e permitem que seus talentos floresçam. Combinando história da arte e estratégias criativas num livro realmente inspirador, o autor nos convoca a adotar esses processos e práticas. E ensina que, não importa nossa área de atuação, eles podem nos ajudar a alcançar coisas extraordinárias também. Usando como exemplo diversos artistas consagrados entre eles Michelangelo, Van Gogh, Duchamp, Picasso, Andy Warhol, Ai Weiwei e Marina Abramovic, Gompertz trata de criatividade, autoconfiança e persistência. E mostra que para ser bem-sucedido mesmo o mais genial e revolucionário dos artistas precisou, e precisa, pensar diferente, fazer diferente, confiar em si mesmo, ser empreendedor e seguir em frente. Então, pense como um artista e… Seja curioso de verdade: a descoberta das lentes ópticas por Caravaggio mudou a arte para sempre; Pense no contexto mais amplo e no detalhe mínimo: Turner transformou uma obra-prima com uma pequena pincelada de tinta vermelha. Seja empreendedor: como Andy Warhol e Damien Hirst, faça da criatividade seu bem mais valioso; E não tenha medo de errar. É quase sempre o plano B que dá certo: Mondrian passou anos pintando árvores antes de se tornar um mestre da abstração. (Fonte)

E aí, o que achou da nossa lista? Tem mais algum livro que você gostou muito e gostaria de indicar? Deixa aqui pra gente nos comentários, e nos fala também se você gostaria de ver uma PARTE 2 desse post, com dicas de outros livros. 🙂